‘Ouro Branco’ estreia no Candido Mendes propondo reflexões sobre Justiça, política e serviço público

Do Rio Encena

O espetáculo mostra servidores públicos em conflito com um procurador-geral Foto: Divulgação

As situações tragicômicas que podem nascer de um conflito fervoroso entre um grupo de servidores públicos e um procurador-geral são o que aguardam os espectadores que forem assistir a “Ouro Branco”. O espetáculo, que aborda temas como o papel da Justiça no Brasil, o serviço público e nossos governantes, estreia nessa quarta-feira (14), às 20h, no Teatro Candido Mendes, em Ipanema.

No texto original e inédito de André Ladeia, quatro servidores vão à loucura depois que suas rotinas profissionais mudam radicalmente graças ao comportamento difícil do procurador-geral. Com uma jornada de trabalho mais intensa e sem a devida remuneração, o grupo até tentar reagir, o que só faz a situação ficar mais delicada. E o que estava complicado, fica ainda mais tenso com o surgimento de teorias da conspiração acerca de diferentes assuntos, como História, astronomia e até o calendário Maia.

— A peça traz uma ótima oportunidade de fazer um texto inédito, de um autor novíssimo, estreando no teatro e de fazer um pouco do Brasil que a gente vive, do passado e o atual, algo tão surreal, mas ao mesmo tempo, tão real. Que a nossa trajetória seja brilhante, que a gente possa fazer uma possibilidade do que incomoda tanto ao povo brasileiro: o serviço público e os nossos governantes — complementa o diretor André Gonçalves.

A temporada de “Ouro Branco” no Candido Mendes vai só até 12 de setembro, com sessões também às quintas, no mesmo horário. Os ingressos custam R$ 50 (inteira) e R$ 25 (meia).

PUBLICIDADE