‘O Mistério de Irma Vap’ – Um fenômeno de público e de crítica numa releitura original e criativa

Gilberto Bartholo

Gilberto Bartholo

69 anos, é ator, professor, crítico teatral e jurado do Prêmio Botequim Cultural.

Se for feita uma enquete, entre pessoas que, no período de 1986 a 1997, assistiram à peça “O MISTÉRIO DE IRMA VAP”, o resultado será surpreendente. Se houver uma segunda pergunta, sobre quantas vezes cada um assistiu à comédia, a surpresa será maior ainda.

Originalmente escrita em três atos, em 1984, pelo norte-americano CHARLES LUDLAM, considerado um inovador do teatro americano da segunda metade do século XX, fundador, em 1967, da sua própria trupe, já que também era ator, a “Ridiculous Theatrical Company”, a peça é considerada o maior fenômeno de bilheteria e de crítica, no Brasil, por ter ficado 11 anos em cartaz, o que lhe garantiu um destaque no “Guinness Book of Records”, a partir de 2003, como a peça que mais tempo se manteve em cartaz, no Brasil, e com o mesmo elenco.

Como IRMA VAP é um anagrama de VAMPIRA, o título original é “The Mystery of Irma Vep”, para ser possível o anagrama“Vampire”. (*Entende-se por anagrama a transposição de letras de palavra ou frase, para formar outra palavra ou frase diferente (amor, de Roma – ou vice-versa; posa, de sapo; Célia, de Alice, vela, de leva; barco, de cobra; cantiga, de catinga etc.).

peça é um exemplo perfeito de um tipo de TEATRO que já fez muito sucesso, no Brasil, e que, ainda hoje, é muito aceito, o “TEATRO besteirol”, no qual predomina a sátira e tem um pezinho nas deliciosas chanchadas. Aqui, numa “salada”, os ingredientes são os melodramas vitorianos, a farsa e os filmes Rebecca (1940), um dos clássicos do consagrado cineasta Alfred Hitchcock, e “Pague para Entrar, Reze para Sair”, de Tobe Hooper. Mergulhado na estética dos anos 80, ainda há, na peça, referência ao icônico videoclipe de “Thriller”, de Michael Jackson. Além disso, nesta atual versão, encontramos várias citações de Shakespeare, principalmente de “Hamlet”.

autor pretendeu escrever seu texto como peça-paródia de filme de terror, e o conseguiu, com os fartos elementos do “besteirol”, potencializados por cada encenadorJORGE FARJALLA, então, “faz a festa”, com isso.

A atual montagem é uma idealização de PRISCILA PRADE, fotógrafa e produtora cultural, a qual, desde 2009, detém os direitos autorais da peça, e de MARCO GRIESI, diretor geral do Espaço Porto Seguro, em São Paulo. Os dois convidaram o diretor e encenador JORGE FARJALLA, para pôr a massa na massa. FARJALLA, que sempre faz questão de que, em seus trabalhos, o título da peçavenha seguido da informação “Na visão de JORGE FARJALLA”, obviamente, não iria repetir o que fez Marília Pêra, na direção da emblemática primeira montagem, que tinha Marco Nanini e Ney Latorraca no elenco. A ação se passa numa mansão mal-assombrada, como consta na sinopse, entretanto o diretor imaginou a história “como um grande parque de diversão” e criou a trama acontecendo dentro de um trem fantasma, “que é o fio condutor do espetáculo”. Além disso, incorporou, à montagemquatro jovens atores“nossos vodus”, como ele os considera (“vodus contrarregras”: FAGUNDES EMANUEL, GRECO TREVISAN, KAUAN SCALDELAI e THOMAS MARCONDES), que auxiliam nas trocas de figurino dos atores LUÍS MIRANDA e MATEUS SOLANO e, também, executam parte da trilha sonora ao vivo, ajudando a contar a história, que é o interesse maior do diretor.

Explico melhor o final, grifado, do parágrafo anterior. O grande atrativo da primeira montagem, o gigantesco “marketing” da peça, era, sem dúvida, a questão das trocas de figurinos, inúmeras e em tempo recorde, o que deixava a plateia atônita. Um ator saía por uma porta, com o figurino de um personagem, e, imediatamente, entrava por outra, com outro figurino, de outro personagem, do sexo oposto. Isso era o grande “mistério” da peça. Era algo que levava as pessoas, por mais de uma vez, ao Teatro Casa Grande (o antigo), no Rio de Janeiro, e em todos os outros por onde o espetáculo passou, Brasil afora. Se perguntarmos, porém, a todos os que viram aquela montagem sobre o enredo, de que tratava o texto, numa curta sinopse (Perdão, pelo pleonasmo!), a grande maioria, certamente, não se lembrará da históriaFARJALLA pensou, ao contrário, em que todos pudessem acompanhar a narrativa e entender a peça, apesar de o enredo ser, propositalmente, confuso, e deixar o Teatrocom uma história – bizarra, sim; absurda -, mas completa, e com detalhes, na cabeça. E foi além: houve por bem que as trocas dos figurinos fossem feitas à vista do público (Cerca de 90% delas, creio, estatisticamente falando. Só há uma cena em que os dois atores trocam de roupa, várias vezes, atrás de uma porta daquelas do tipo “bangue-bangue” ou “saloon”.), contando com a ajuda dos quatro atores coadjuvantes, como já foi dito.

Segundo o “release”, primeiramente enviado por ADRIANA BALSANELLI, que fez a assessoria de imprensa na primeira temporada, em São Paulo, onde o espetáculo estreou, no Teatro Porto Seguro, com um sucesso estrondoso, e, depois, também chegado até mim, por BARATA COMUNICAÇÃO (assessoria de imprensano RIO DE JANEIRO), “Vamos teatralizar a troca de roupas. Eu quero mostrar, para o espectador, o TEATRO como uma grande ilusão e o ator como um grande mago, que pode criar tudo na frente do público e fazê-lo acreditar naquela situação. Quero que a plateia sinta o trabalho do ator e como eles vão dividir esses personagens em um jogo de espelhos. O próprio texto de LUDLAM sugere o jogo teatral e tentamos enfatizar ao máximo a questão dos atores como um duplo”, diz o diretor.

 

SINOPSE

 

A trama original se passa em um lugar remoto da Inglaterra e conta a história de LADY ENID (MATEUS SOLANO), a nova esposa do excêntrico LORD EDGAR MONTEPICO (LUÍS MIRANDA), o qual a aguarda muito radiante e ardendo de paixão.

Ela tem que se adaptar a viver em uma mansão mal-assombrada, pelo fantasma da primeira esposa de seu marido, IRMA VAP, lugar onde o filho do casal VÍTOR, que não aparece em cena, foi morto, supostamente, por um lobisomem, também chamado VÍTOR.

Na casa, há uma governanta, JANE (LUÍS MIRANDA), extremamente leal à falecida patroa, que assume a posição de rival da recém-chegada e não admite a possibilidade de outra mulher ocupar o lugar deixado por IRMA VAP, preencher o vazio daquela lúgubre mansão, tornar-se a segunda LADY MONTEPICO. e um serviçal, NICODEMO (MATEUS SOLANO), uma bizarra criatura.

Para fazer jus ao amor de seu marido, LADY ENID “come o pão que o diabo amassou”, nas mãos de JANE, e pratica peripécias divertidas.

Em cena, dois atores interpretam os vários personagens, entre humanos e assombrações.

O final da trama revela uma surpresa.


Segundo o diretor, são cinco os personagens, nesta trama de suspense e terror cômico, contando com a falecida. O primeiro diferencial a ser notado, na atual montagem, que não existia na primeira e que funciona muito bem, é a ideia da direção de criar um prólogo, em que LUÍS e MATEUS entram em cena, com o figurino base, uma espécie de macacão, grudado a seus corpos, como se fossem bonecos de vodu, conversam, improvisam, ainda como pessoas físicas, desejam “MERDA!”, um ao outro, sinal para que as cortinas se abram, deixando à vista o cenário, cuja base permanece inalterada, da primeira à última cena, e, aí, então, começa o desenrolar da história, a qual abusa de referências a (e aparições de) vampiros, fantasmas, múmias e lobisomens. E, para que isso seja possível, a montagem exige, em qualquer modelo de encenação, grande quantidade de efeitos sonorosadereçosefeitos especiais e trocas rápidas de vestuário.

Estando em São Paulo, durante a última Semana Santa, fui, a convite de FARJALLA, assistir à peça, no Teatro Porto Seguro, e a revi, há cerca de uma semana, aqui, no Rio, onde acho que o espetáculo cresceu bastante, uma vez que o palco do Teatro OI Casa Grande é bem maior que o de São Paulo, acomodando melhor a cenografia e proporcionando mais espaço e conforto aos atores.

Não quero, não posso nem devo estabelecer comparações com a montagemdo trio MaríliaNanini e Latorraca, uma vez que, cada uma das encenações foi criada com uma proposta distinta, sob estéticas idem e contando com atores, os quatro, de grande talento, mas de estilos diferentes, no modo de interpretar, cada um com sua peculiar personalidade artística e profissional. Gostei das duas, mas, nem sob tortura, revelarei qual a que mais me tocou, até porque não é este o objetivo desta crítica, e, sim, fazer uma modesta análise de “O MISTÉRIO DE IRMA VAP”“na visão de JORGE FARJALLA”.

Essa “visão” traz, como marca, o desejo de desconstruir, de provocar, de ser ousado, criativo e inovador, totalmente arcando com as consequências, que estão afetas à reação do público e da crítica. Seus trabalhos – e isso é muito salutar – não visam à unanimidade e, geralmente, dividem, radicalmente, as opiniões: há os que gostam e os que não. Incluo-me, via de regra, no primeiro grupo, com algumas restrições, o que é natural, a um ou outro detalhe desta ou daquela montagem, ainda que, em algumas delas, não tenha conseguido identificar nada que, a mim, não agradasse, como, por exemplo, a sua releitura para “Dorotéia”, de Nélson Rodrigues.

Com relação à peça em tela, gosto bastante do resultado, porque já parti para o Teatro Porto Seguro, na primeira vez em que a vi, sabedor do que poderia esperar e encontrar e, o mais importante, tendo plena consciência da proposta da direção. Talvez, para alguns saudosistas e/ou pessoas que não se informam, antes de ir ao Teatro, a expectativa não seja alcançada, exatamente porque a atual montagem está na outra margem do largo rio que separa esta da primeira. Ao final do espetáculo, porém, a reação do público é muito boa e, durante os 100 minutos de duração da comédia, todos riem e ouvem-se bastantes gargalhadas, por força do humor contido no texto; dos “cacos” colocados pelos atores, com a aquiescência da direção, quero crer; e pelas soluções criadas pelo diretor.

FARJALLA é um diretor/encenador consagrado e premiado e vem mantendo a qualidade dos seus trabalhos ao longo dos últimos anos.

Não há muito a ser dito sobre LUÍS MIRANDA e MATEUS SOLANO, cujos talentos são mais que reconhecidos, principalmente por suas aparições na telinha, embora sejam grandes atores de TEATRO (Já assisti a ótimas peças em que eles atuavam.), que é o que mais importa, já que é no TEATRO -vivo repetindo isso -, com raras exceções, que o ator se revela um bom profissional do ofício de representar, sem recursos tecnológicos, contando, apenas, com sua intuição e seu talento inato. Não me lembro de tê-los visto dividindo o palco, antes, mas a impressão que dá é a de que a dupla já “bateu bola em outros gramados”, tamanhos são o entrosamento, a química, a cumplicidade entre os dois, que – me parece – se divertem muito em cena. Ambos, talentosos e carismáticos, conquistam a plateia, logo na primeira aparição, e não permitem que ninguém se disperse ou perca o interesse pelo espetáculo. Não há protagonistas; ambos o são.

equipe de criação foi muito bem escolhida, e o somatório de todas as contribuições converge para um resultado final positivo, a começar pelo cenário, de MARCO LIMA, inspirado no filme “Pague para Entrar, reze para Sair”“…um trem fantasma, com o carrinho utilizado de forma manual, artesanal e mecânica. Tudo construído com madeira, ferro e materiais simples”. Essa é a tal parte fixa a que já me referi. Entra em cena, mais para o final da peça, um sarcófago, que fica numa das laterais do palco. Nota-se um perfeito acabamento na cenografia e detalhes interessantes, que a valorizam, na construção do universo de terror, exigido pelo texto. Todo o palco fica à mostra, incluindo o fundo e as coxias, a despeito da grande dimensão do cenário, cuja movimentação cabe aos quatro “vodus contrarregras”“A caixa cênica, sem bambolinas, sem rotundas, revelando o maquinário do Teatro e não escondendo nada”, detalha o cenógrafo.

Em função das várias, e rapidíssimas, trocas de roupa, os figurinos, nesta peça, se revestem de uma importância capital, pois, antes de tudo, precisam ser práticos, para facilitar as referidas trocas, e, também, obedecendo à estética da época em que se passa trama e à proposta de “deboche” desta montagem. As perucas e adereços se destacam, no visagismo, e são elementos hilários. É KAREN BRUSTTOLIN quem assina todos os modelos, “tudo todo feito à mão, por uma equipe composta por sapateiro, chapeleiro, costureira, bordadeira, ‘designer’ de adereços e envelhecimento. O tecido utilizado foi o ‘jeans’, para dar um ar contemporâneo”. Ainda retirado do “release”“São 7 trocas de roupa, referências e universos diferentes, que transitam desde a era medieval até David Bowie” (Não sei por que 7. Baseado em quê? Eu vi muito mais que esse número.). Como as trocas de figurinos precisam ser muito rápidas, a figurinista não enxergou outra maneira de criá-los, que não fosse a técnica de fazê-los “em camadas”, sobre uma roupa “base”, como bonecos de vodu.

Outro elemento, importantíssimo, para a criação da ambientação macabra, exigida pelo texto, é a iluminação, aqui muito variada e variante, com muitas lâmpadas piscando, freneticamente, sob a responsabilidade de CÉSAR PIVETTI. São, ao todo, 300 movimentos de luz, criando efeitos fantásticos e fantasmagóricos. Ainda relacionada à iluminação, há a utilização de máquinas de fumaça, criando um pântano.

Mais uma vez, o filme “Pague para Entrar, Reze para Sair” serviu de inspiração para um dos profissionais de criação do espetáculo. Falo da trilha musical“quase cinematográfica”, a qual pontua, com muita propriedade, as cenas e as ações dos atores, com canções e sons incidentais (sonoplastia). Ao mesmo tempo que atua de forma caricatural, para formação do ambiente de terror, também carrega consigo um toque de humor. Todo esse trabalho de criação se deve ao diretor musicalGILSON FUKUSHIMA.

“O MISTÉRIO DE IRMA VAP” é, sem dúvida, uma comédia engraçadíssima, montada com muito cuidado e dedicação, “digestiva”, que só tem o propósito de divertir, com bom gosto, inteligência, criatividade e acrescentando alguns toques de críticas, as mais variadas.

Recomendo o espetáculo, que pede um chopinho, depois, para que a diversão proporcionada pela peça seja esticada.

E VAMOS AO TEATRO!!!

OCUPEMOS TODAS AS SALAS DE ESPETÁCULO DO BRASIL!!!

A ARTE EDUCA E CONSTRÓI!!!

RESISTAMOS!!!

COMPARTILHEM ESTE TEXTO,  PARA QUE, JUNTOS, POSSAMOS  DIVULGAR O QUE HÁ DE MELHOR NO TEATRO BRASILEIRO!!!

Dúvidas, críticas ou sugestões, envie para gilberto.bartholo@rioencena.com.br.

PUBLICIDADE