Imperator: Secretaria Estadual de Cultura afirma que ideia é manter programação e quadro de funcionários

Luiz Maurício Monteiro

Tempo estimado de leitura: 2 minutos

O Imperator fica na Rua Dias da Cruz, no Méier Foto: Luiz Maurício Monteiro

Sob responsabilidade do governo municipal desde 2010, o Imperator, também conhecido como Centro Cultural João Nogueira, voltará a ser, a partir de 1º de janeiro de 2019, um equipamento da Secretaria Estadual de Cultura e Economia Criativa (Secec), já que o imóvel, localizado no Méier, pertence ao Estado. À época do anúncio, o então secretário Ruan Lira, que deixou o cargo no início do mês, afirmou que a ideia era implementar um “novo modelo de gestão”, mas assegurou que a programação, que faz do espaço um dos mais importantes e ativos da Zona Norte, seria mantida, promessa esta que é ratificada pelo órgão, mesmo com uma mudança no comando.

Após contato feito pela reportagem do RIO ENCENA, a Secec, que está sendo gerida pela nova secretária Danielle Barros desde 06/12, respondeu, através da assessoria de imprensa, que “a ideia não é modificar ou interromper a programação atual que tanto agrada à população”. Ou seja, exposições, cinema, peças de teatro e outras atividades culturais estariam garantidos.

A Secec, no entanto, preferiu não se manifestar muito além disso, alegando que até 31 de dezembro, quando termina o contrato de concessão à Secretaria Municipal de Cultura (SMC), não irá se pronunciar. A assessoria não quis confirmar nem ao menos se as atrações já serão retomadas no primeiro fim de semana do ano que vem. 

Uma das poucas informações mais claras dada à reportagem foi a respeito dos cerca de 70 funcionários do Imperator. De acordo com a assessoria, a secretária Danielle Barros ainda está se inteirando do funcionamento da Secec e também conhecendo melhor o quadro de profissionais, com o intuito de mantê-los.

Ainda sobre os funcionários, que receberam aviso prévio da prefeitura até 26/05, o pagamento não está em dia. O RIO ENCENA também estrou em contato com a SMC, que confirmou o atraso e afirmou que estava providenciando os salários de outubro. Até o fechamento desta nota, o órgão ainda não havia respondido sobre a quitação destes vencimentos.

PUBLICIDADE