Dose dupla: premiado Gilberto Gawronski faz curtíssimas temporadas de dois solos no Espaço Sergio Porto

Do Rio Encena

“Ato de Comunhão” e “A Ira de Narciso” estão no Sergio Porto em curtíssima temporada Fotos: Divulgação

Gilberto Gawronski está em cartaz no Espaço Cultural Municipal Sergio Porto, no Humaitá, em dose dupla. O ator realiza curtíssimas temporadas a preços populares – a partir de R$ 20 (meia) – de dois dos seus mais recentes trabalhos, os solos “Ato de Comunhão”, que faz apresentações sábados e domingos às 17h, até o próximo dia 27; e “A Ira de Narciso”, que vai até 04 de novembro sextas, sábados e segundas às 20h e domingos, 19h.

— Trazer novamente “Ato de Comunhão” vem do desejo de apresentar juntamente com “A Ira de Narciso” um repertório de dramaturgia latino-americana de altíssima qualidade de autores contemporâneos. As duas peças lidam com ferramentas do homem atual que estão sendo usadas ainda de forma muito instintiva: a internet e a possibilidade do encontro — observa Gilberto, vencedor do Prêmio Shell de Melhor Ator por “A Ira de Narciso”.

Escrito pelo uruguaio Sergio Blanco e dirigido por Yara de Novaes, o espetáculo é uma autoficção narrada em primeira pessoa que relata uma passagem do dramaturgo por Ljubljana, capital e maior cidade da Eslovênia, onde ele foi dar uma palestra sobre o famoso mito grego de Narciso. As horas que antecedem a conferência, porém, vão ganhando contornos de drama enquanto ele, num quarto de hotel, descreve momentos, alguns bem íntimos, que viveu com um jovem esloveno que acabara de conhecer através de um aplicativo de encontros e relacionamentos.

Já em “Ato de Comunhão”, que tem texto do argentino Lautaro Vito e direção em parceria entre o próprio Gilberto e Warley Goulart, o personagem único é Armin Meiwes, técnico em computação, então com 41 anos, que ficou conhecido como o “canibal alemão”. Em 2001, na Alemanha, seu julgamento terminou com condenação à prisão perpétua. Meiwes confessou e descreveu com detalhes como devorou o engenheiro Bernd Jürgen, a quem conheceu num site frequentado por simpatizantes do canibalismo.

PUBLICIDADE