Conhecida da TV, Mariana Santos volta ao teatro carioca com ‘Só de Amor’, que marca seus primeiros texto e solo

Do Rio Encena

Tempo estimado de leitura: 2 minutos

Mariana Santos compartilha com o públicos vivências suas com a síndrome do pânico

Quem acompanhou a trajetória de Mariana Santos em humorísticos como “Zorra Total”, “Zorra” e “Amor & Sexo”, todos da TV Globo, teve uma grata surpresa ao vê-la na atual temporada de “Malhação” como uma viúva que batalha para cuidar de dois filhos e torce o nariz para novos relacionamentos. Já no teatro, para onde retorna após quatro anos de dedicação à telinha, ela tem a possibilidade de não precisar escolher comédia ou drama, mas, sim, misturá-los. E com direito a inspiração na vida real! “Só de Amor”, monólogo que marca seus primeiros texto e trabalho solo nos palcos, estreia nesta sexta-feira (02), às 21h30, no Teatro dos Quatro, no Shopping da Gávea, falando sobre síndrome do pânico, transtorno associado a crises repentinas de ansiedade, medo e desespero, do qual a atriz sofre.

Depois de ter estreado em São Paulo no primeiro semestre, Mariana – que está com 42 anos e se trata desde quando tinha cerca de 20 – traz ao Rio de Janeiro a história de Malu, uma cantora que está prestes a subir ao palco para mais um show, quando tem uma crise de pânico. Entre cigarros e bebida, revela seus maiores medos, visita o passado e a infância. Com humor e interação com a plateia para dar leveza, a atriz compartilha com o público, através da personagem, um pouco de sua história.

— Sofri a vida inteira com isso e foi o teatro que me libertou. Tinha muita dificuldade em sair de casa, mas como a vontade de estar em cena e a necessidade de trabalhar eram maiores, fui levando adiante e vencendo aos poucos os meus fantasmas — recorda Mariana, que precisou recorrer a tratamento médico para encarar “Atreva-se”, comédia dirigida por Jô Soares, que fez grande sucesso e acabou excursionando pelo país durante três anos no início da década.

Quem levou Mariana – que já foi professora de educação infantil e é formada em pedagogia – para este projeto foi o produtor Rodrigo Velloni. Não muito tempo depois, eles engataram um namoro e acabaram casando. Agora, ele a acompanha não só na vida, mas também no quesito estreia: “Só de Amor” marca seu debute como diretor de teatro.

O espetáculo estreou em São Paulo antes de vir para o Rio Fotos: Priscila Prade/Divulgação

— Sempre que tínhamos uma diferença de opinião, nos ensaios, a gente se escutava e chegava a um denominador comum. É um trabalho feito por nós dois, a quatro mãos — orgulha-se Rodrigo.

Outra participação importante no espetáculo é a da diretora musical Fernanda Maia. Para falar sobre a complexidade da mente humana e da variedade de sentimentos, a partir de histórias pessoais de Mariana e outras fictícias, a dupla fez uma releitura de cantigas de roda, que ganharam arranjos e letras originais sobre temas como solidão, uso excessivo de remédios, frustrações com relacionamentos e ansiedade.

— Sinto que as pessoas se identificam com vários momentos do espetáculo, seja nas partes cômicas ou nas mais delicadas. Falo de amor, humor, angústias, perdas e relacionamento com pai e mãe. Tudo que faz parte da vida de todo mundo. É tão libertador colocar para fora, através da arte, coisas tão pessoais. Melhor ainda é fazer humor com isso. Acredito que todos nós precisamos rir um pouco das nossas próprias tragédias — opina Mariana.

“Só de Amor” fica em cartaz no Teatro dos Quatro até 20 de outubro, com apresentações também aos sábados às 21h e domingos, às 20h. Os ingressos custam R$ 80 (inteira) e R$ 40 (meia).

PUBLICIDADE