Artesanal Cia. de Teatro chega ao CCBB com drama sobre bullying e outras agruras da adolescencia

Do Rio Encena

Tempo estimado de leitura: 2 minutos

A peça procura ter uma linguagem de jovem para jovem Foto: Andrea Nestrea/Divulgação

Fundada em 1995, a Artesanal Cia. de Teatro já alcançou a maioridade há muito tempo. E na próxima quinta-feira (03/10), às 19h30, no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), a trupe estreia seu mais novo espetáculo, “Quando as Pessoas Andam em Círculos”, que fala sobre e para quem está vivenciando esta fase. Com um elenco jovem, a peça, uma fábula teatral, fala de medos, angústias, incertezas e inseguranças do universo adolescente contemporâneo, que muitas vezes têm o bullying como pano de fundo.

— A peça traça uma radiografia forte da juventude que toma remédio para ansiedade e depressão, a chamada “juventude prozac”, e tem receio de tudo: de tomar decisões, dos percalços corriqueiros da vida, de relacionamentos, de olho no olho. Sem mitos que o ajude (o jovem) a construir sua personalidade, ele deve lidar com a complexidade dos tempos atuais, assolado pela angústia e solidão crescentes — acrescenta Henrique Gonçalves, que assina a direção ao lado de Gustavo Bicalho.

Gustavo, aliás, é responsável também pelo texto numa outra parceria, esta com Daniel Belmonte, com quem trabalha pela primeira vez. Com a proposta de utilizar uma linguagem o mais horizontal possível, falando de jovem para jovem, a dupla escreveu a trama que se passa numa festa, onde os personagens são tratados por estereótipos. No evento, eles precisam enfrentar questões pessoais que geram tensões e ameaças constantes, e, como se já não fosse o bastante, ainda lidam com a iminência de um atentado terrorista que põe a vida de todos em risco.

Ambientado numa festa, o espetáculo tem a música como ferramenta fundamental. Essa atmosfera musical, inclusive, se faz presente já no título da peça, como explica Gustavo Bicalho, que também assina a direção musical.

— O título da peça vem da canção “Mad World”, composta por Roland Orzabal, do Tears for Fears, e interpretada por Gary Jules. Em um momento, é dito: “When people run in circles, it’s very very mad world” (“quando as pessoas andam em círculos, o mundo fica muito, muito louco”, em português) — adianta Gustavo, concluindo em seguida: — Essa canção se tornou ícone com o filme “Donnie Darko”, dirigido por Richard Kelly em 2001 e que tem Jake Gyllenhaal em uma de suas primeiras aparições no cinema. A peça tem um pouco do clima catastrófico e melancólico do filme, que é um hit entre o público adolescente e jovem.

PUBLICIDADE