A NOITE DO ANTÍLOPE DOURADO

Tempo estimado de leitura: < 1 minuto

Foto: Luiz Teixeira Mendes/Divulgação

Local: Teatro Candido Mendes
Endereço: Rua Joana Angélica, Nº 63 – Ipanema.
Telefone: (21) 2523-3663
Sessões: Segunda às 20h
Período: 06/01 a 27/01
Elenco: Matheus Freire, Fernando Giusti e André Américo
Direção: Sérgio Nostra e Claudinha Vieira
Texto: Fernando Melo
Classificação: 16 anos
Entrada: R$50 (inteira) e R$25 (meia)
Funcionamento da bilheteria: Não informado
Gênero: Drama
Duração: 70 minutos
Capacidade: 103 lugares
Sinopse: Embora escrita e encenada na década de 70, os assuntos abordados no texto permanecem atuais: as perturbações mentais, a homofobia, o poder doentio e desmedido. A trama se desenrola na cela de um Manicômio Judiciário, mas poderia passar em qualquer lugar onde a imposição de ideias se faz presente. Nesse Manicômio se encontra Jorge, um assassino cruel, homofóbico, emocionalmente desequilibrado, e para lá é levada Vera, um velho travesti suicida, que vive à margem de uma sociedade hipócrita e preconceituosa. Dois universos diferentes, que se atraem e se repelem mutuamente. Duas partículas de camadas sociais minoritárias e marginalizadas. Controlando esta cela, está um enfermeiro, que para este pequeno universo representa o poder   maior.  Abusivo e repressor, do alto de sua posição, este Enfermeiro arma um jogo entre Jorge e Vera com a finalidade de atingir os seus próprios objetivos, que é destruí-los. Partes fracas que são diante de uma força maior presente, estas minorias (assassino e travesti) se tornam peças fundamentais para saciar a diversão sádica do Enfermeiro. Porém, essa cela não pode comportar três mentes tão perturbada (Jorge, Vera e Enfermeiro) e o final desse jogo é previsível. Uma dessas peças é eliminada. Qual? Assistam até o final!

.

* Segundo informações do teatro e/ou da produção do espetáculo

PUBLICIDADE