‘Tubarões’ – ‘a vida é uma brutal transformação’ ou quando o passado lá deveria ter ficado. Ou não?!

Gilberto Bartholo

Gilberto Bartholo

67 anos, é ator, professor, crítico teatral e jurado do Prêmio Botequim Cultural.

Em final de temporada, na Sala Multiuso do SESC Copacabana, está em cartaz o espetáculo “TUBARÕES”, um texto coletivo, escrito pelos seis atores que compõem o elenco (ALEXANDRE VARELLA, ALONSO ZERBINATO, BEATRIZ BERTU, BIANCA JOY PORTE, CHRISTIAN LANDI e CIRILLO LUNA), além de DANIELA PEREIRA DE CARVALHO e MICHEL BLOIS, este também responsável pela direção da peça.

Quando dez mãos atuam na criação de uma dramaturgia, seria aceitável, até, que se esperasse nebulosidade e falta de transparência, no mínimo, na trama, o que, entretanto, não ocorre neste texto, a não ser um único detalhe, sobre o qual falarei mais tarde, talvez nem tanto enigmático assim.

O texto conta a história de um trio de amigos inseparáveis, no passado, que se reencontra, vinte anos depois, numa casa onde viveu suas experiências mais marcantes da juventude. Uma sinopse mais ampliada aqui está:


SINOPSE 

Depois de afastados por vinte anos, os três amigos STELLA (BIANCA JOY PORTE)CÍCERO (CHRISTIAN LANDI) e MURILLO (ALEXANDRE VARELLA) se reencontram, para passar um final de semana em uma casa de praia, onde viveram boa parte da juventude, onde vivenciaram profundas emoções, amores e descobertas.

Cada qual seguiu distintos rumos em suas vidas: STELLA é uma advogada poderosa e independente, casada com BERNARDO (ALONSO ZERBINATO)CÍCERO é professor de cinema, homossexual, e mora fora do Brasil, há anos, casado com o biólogo marinho DANIEL (CIRILLO LUNA); MURILLO administra a fortuna que herdou de seu pai e namora CLARISSE (BEATRIZ BERTU), uma menina quase vinte anos mais nova e bastante submissa.

Nesse reencontro, os amigos estão acompanhados de seus atuais cônjuges, que, por sua vez, pouco ou nada conhecem sobre as histórias vividas pelo trio, no passado.

O confinamento naquele espaço, repleto de memórias, torna-se um disparador, deflagra sentimentos represados e precipita acontecimentos que transformarão cada um dos seis personagens.

O detalhe “opaco” que o texto registra, o que, porém, funciona como um excelente exercício para instigar a imaginação do público, é o não esclarecimento, totalmente explícito, do que ocorreu, entre o trio de amigos, no passado, rompendo o cordão que os unia, fazendo com que cada um se afastasse tanto do outro e por que ninguém voltou a procurar ninguém, durante vinte anos, até que STELLA, que conseguira comprar aquela casa, promovesse o encontro dos três, então acompanhados de seus pares, sabendo-se que a verdadeira intenção desse encontro era o desejo de STELLA reencontrar MURILLO.

Há uma cena que sugere (Ou deixaria claro?) ter havido o rompimento pela formação de um triângulo amoroso: STELLA, MURILLO e CÍCERO. Esse detalhe pode parecer óbvio ou não. Os três voltam a se beijar, ardentemente, vinte anos depois. Seria isso suficiente para um rompimento tão drástico e prolongado? O que mais poderia haver além disso?

A estrutura do texto lembra, bem grosso modo, o confinamento que ocorre em programas do tipo “reality show”, quando, inevitavelmente, a falta de contato com o mundo exterior e a relação dia a dia com as mesmas pessoas representam um caldo de cultura para o desenvolvimento de amor e ódio, medo e desconfiança, intolerância e preconceitos, que acabam desaguando em “impactos, causados pelo transbordamento dos desejos reprimidos e dos projetos de vida frustrados”.

Não sei se STELLA tinha noção do “tsunâmi” que poderia causar com aquela ideia. Talvez, até, fosse esse o seu real desejo: jogar todas as fichas sobre a mesa e esperar que, dali, saísse um vencedor; ela, de preferência. Um grande ajuste de contas, talvez.

Sobre a peça, explica seu diretor, MICHEL BLOIS: “Alguma vez você já foi a Jerusalém? À Chapada dos Veadeiros? À Índia? Fez o caminho de Santiago de Compostela? Ou qualquer outra viagem em que o lugar é capaz de, por si só, te proporcionar transformações? Em ‘TUBARÕES’, uma casa de praia cumpre essa função. Três amigos de adolescência se reencontram, 20 anos depois de terem passado férias nessa mesma casa, e acabam perdendo a noção de realidade, misturando-se com seu passado, suas projeções de futuro e ponderando seus fracassos. Seus respectivos cônjuges, embora sem lembranças com a casa, também se confrontam com as expectativas que tinham e têm sobre si mesmos.”.

Nada mais do que isso está presente no texto, entretanto esse “nada” não significa que seja “pouco”; muito pelo contrário. Há, por demais, o que ser refletido sobre tudo que o foi dito e vivido, naquele espaço, naquela casa de praia (Praia dos Amigos, se não me equivoco, dito na peça), durante um fim de semana.

As idiossincrasias se confrontam, quer entre os seis indivíduos, quer entre o próprio grupo, uma vez que o termo se encaixa, perfeitamente, às duas situações: “Idiossincrasia é uma característica de comportamento peculiar de um indivíduo ou de um determinado grupo”.

O espetáculo é bastante instigante e prende a atenção da plateia, durante seus 80 minutos de duração, ainda que, a meu juízo, pudesse sofrer um pequeno “enxugamento”; não com a supressão de nenhuma cena (todas são imprescindíveis), porém com o encurtamento de alguns diálogos e “bifes”.

Talvez eu até possa vir, futuramente, a me arrepender de abordar um aspecto, dentro da avaliação deste espetáculo, partindo do seu título, porém, após uma superficial pesquisa sobre os tubarões, resolvi estabelecer algumas comparações e paralelismos, tomando como ponto de partida alguns símiles, para apostar em determinadas metáforas, o que, também, pode não passar de uma grande “viagem” da minha parte. Proporcionou-me, porem, uma grata satisfação ter mergulhado nesse exercício.

A imagem do tubarão é, imediatamente, associada a medo e perigo. Aquele reencontro não escondia o medo das pessoas, pelos desdobramentos que ele poderia causar, com os subsequentes perigos movidos pela experiência.

“O tubarão, ou cação, é o nome dado, vulgarmente, aos peixes de esqueleto cartilaginoso e um corpo hidrodinâmico. Os primeiros tubarões conhecidos viveram há aproximadamente 400 milhões de anos”. Parece-me haver, nos seis personagens a ausência de um “esqueleto” sólido, forte, resistente, feito de ossos, para sustentar o peso de um passado e de tantas frustrações, dores e arrependimentos. Também, assim como o tempo de surgimento dos tubarões, a realidade da temática de que trata a peça parece quase ter a mesma idade do ser humano na Terra. 

“Os tubarões se diversificaram em, aproximadamente, 375 espécies”. E o que dizer das incomensuráveis “espécies” de seres humanos? Ali, cada um dos seis personagens poderia corresponder a uma variedade de tubarão.

“A maioria dos tubarões é ‘sangue frio’, ou, mais precisamente, poiquilotérmicos, o que significa que a temperatura interna do seu corpo não difere da temperatura de seu ambiente”. “Sangue frio” foi o que não faltou à personagem STELLA, para engendrar aquela situação. Um pouco de “sangue frio” também foi necessário para reprimir, um pouco, de certa forma, as esperadas reações dos demais personagens, diante daquele inusitado encontro.

“A digestão do tubarão pode levar um longo tempo. A comida se move desde a boca até o estômago, em forma de J, onde é armazenada e a digestão inicial ocorre. Itens indesejados podem nunca passar pelo estômago e, ao invés de o tubarão vomitar, ele vira seu estômago do avesso e ejeta itens indesejados de sua boca”. Mas não é isso o que se vê em cena? Uma “digestão” que durou vinte anos. Os fantasmas do passado, os “corpos estranhos” àquela “digestão” sendo expulsos, pelas bocas dos personagens?

“O olfato do tubarão é extremamente apurado, permitindo-lhe identificar substâncias bastante diluídas na água, como concentrações de sangue abaixo de uma parte por milhão, o que equivale a perceberem uma gota de sangue a 300m de distância, em pleno oceano. Quando detectam o cheiro de sangue ou de corpos em decomposição, facilmente encontram o local de origem, utilizando principalmente o seu olfato (ou a visão para distâncias inferiores a 30m)”. STELLA é próprio tubarão. 

“Alguns cientistas creem que, como muitos outros peixes, os tubarões são míopes, estando a sua visão adaptada apenas para distâncias entre 2 e 3 metros, embora possa ser utilizada para distâncias de até 30m, com um menor grau de definição”. Isso justificaria tanto tempo, para ser enxergada uma certa “necessidade” de um ajuste de contas ou uma definição para os próximos vinte anos de vida de cada personagem. 

“Os tubarões podem ser altamente sociais, mantendo-se em grandes grupos. Pode, também, haver hierarquia entre as diferentes espécies. Quando são pressionados, alguns tubarões promulgam um sinal de ameaça, para avisar, ao grupo, da chegada do predador”. Assistam à peça e atentem para esse detalhe!

A montagem é bastante interessante, com destaques para a boa direção, de MICHEL BLOIS, assim como a ótima e equilibrada atuação do elenco. Cada ator / atriz conseguiu construir um personagem que não deixa dúvidas quanto à sua estrutura emocional. 

ALEXANDRE VARELLA (MURILLO) tem uma ótima atuação, como alguém completamente dividido entre a razão e a emoção. Vive de administrar a herança familiar. O ator sabe aproveitar os momentos em que o texto lhe é favorável. 

ALONSO ZERBINATO, como BERNARDO, marido de STELA se apresenta, aparentemente, como meio alienado ao que está acontecendo, entretanto parece apenas fingir isso, talvez porque o faça sofrer menos, diante do que lhe soa muito claro. 

BEATRIZ BERTU (CLARISSE) é uma jovem, de aparência frágil, que demonstra ciúmes de MURILLO, bem mais velho que ela, e que parece perceber o jogo de sedução de STELLA. A personagem foi  muito bem contruída pela atriz, com destaque para a sua submissão, em função da pouca idade e por ignorar, até sua chegada à casa, o passado daqueles três amigos.   

BIANCA JOY PORTE (STELLA) tem grandes momentos de atuação, fruto da riqueza de sua personagem e de seu talento de atriz. Convida DANIEL para ficar morando na casa, em princípio, por ter percebido o interesse do rapaz pelo contato com o mar e a possibilidade de poder desenvolver estudos sobre os tubarões, mas é possível se depreender, também, que havia uma outra intenção, pessoal, de interesse pelo marido do amigo CÍCERO. 

CHRISTIAN LANDI (CÍCERO), em boa atuação, professor de cinema, havia feito vídeos do tempo em que ele, STELLA e MURILLO eram grandes amigos, na casa, e insiste em mostrá-los aos outros, assim como fazer novos registros de imagens, no que é contrariado pelos cinco. Aparenta ser um tanto “descolado” e à parte da situação, mas, no fundo, é um dos que mais se incomodam com aquele reencontro. Demonstra muito carinho e cuidado para com o marido, Daniel, com quem briga, porém, por este ter aceitado o convite de STELLA. 

CIRILLO LUNA (DANIEL) é um biólogo marinho, apaixonado pela vida dos tubarões e que estava muito feliz, por se ver naquele lugar, tão marcado pela presença daqueles animais. É portador do virus HIV, entretanto sabe lidar com a doença e demonstra força, coragem e esperança no futuro. CIRILLO sempre dá conta de seus personagens; aqui, não foge à regra.

Para mim, ganhou destaque, nesta montagem, a bela ideia da concepção do cenário (Leia-se ANTÔNIO GUEDES e SANDRO VIEIRA), que se resume à casa de praia, com um jardim ao fundo, e um pouco da própria praia.

A casa não tem paredes e sua configuração é obtida pelo emprego de canos de PVC, traçando os seus contornos. As paredes não existem, intencionalmente, para que o púbico possa estar totalmente ligado ao que se passa dentro dela.

Também se trata de uma casa vazia, oca, não habitada fazia um longo tempo. Ela traz lembranças a todos, mesmo, paradoxalmente, aos que não a conheciam anteriormente. Lembranças do que não se viveu, mas que se pode imaginar.

O espaço físico vazio do seu interior vai sendo, pobremente, preenchido por objetos de cena, trazidos, aos poucos, pelos próprios atores, principalmente provisões, para um final de semana.

Do lado externo da casa, apenas dois sacos de areia, duas cadeiras de praia e tocos de madeira, para a construção cênica do pequeno balneário, impróprio ao banho de mar, em função dos constantes ataques de tubarões. Uma casa de praia que não pode ser utilizada para os seus fins específicos. Um lugar inóspito, para um reencontro de velhos amigos.

Uma prática, atualmente, bem explorada em alguma encenações, é o fato de a luz, aqui assinada por TOMÁS RIBAS, e o som, sem indicação de responsável pela trilha sonora, na ficha técnica, serem operados, em cena, pelos próprios atores. Gosto da proposta. Tenho visto, como em “TUBARÕES”, ótimos resultados nesse sentido.

Os figurinos, de ANTÔNIO GUEDES, não merecem nenhum comentário especial, mas também não apresentam desajustes. Enquadram-se na proposta da peça.

Um detalhe interessante da direção é a utilização dos tocos de madeira, que, antes, serviam a uma fogueira, para a formação de um esqueleto de tubarão, ao qual é agregada uma cabeça do animal, com um destacado par de mandíbulas e dentes afiados, imagem que tem uma grande importância para o final da trama.

Após uma conversa com MURILLO, um acerto final de contas, STELLA, que o havia proibido de adentrar o mar, naquela praia, por temer ser ele atacado por um tubarão, o que representaria perdê-lo definitivamente, autoriza-o a fazê-lo. É como se ela o libertasse para fazer uso de seu livre arbítrio.

Todos resolvem voltar às suas origens, à exceção de DANIEL, que lá permanece, e a cena final deixa a peça em aberto, quando MURILLO caminha até o esqueleto e para, imóvel, bem perto da cabeça do animal, olhando para aquela “instalação”.

Assistam à peça e tirem suas conclusões!

“TUBARÕES” merece ser visto e discutido, nem tanto pela qualidade do texto, como um todo, mas para reflexões que ele propõe, acerca do que se deve preservar do passado, o quanto isso deve ou não ser valorizado, e da necessidade de novas escolhas, novos caminhos, novas “praias”, e de não temer o que o futuro nos reserva

Quem sabe, dali a mais vinte anos, todos estariam reunidos, naquele mesmo lugar, acompanhados de novos cônjuges, para outros acertos de contas?

Dúvidas, críticas ou sugestões, envie para gilberto.bartholo@rioencena.com.br.

PUBLICIDADE