Prêmio Shell 2018: ‘Um Tartufo’ e ‘Esperança na Revolta’ levam três indicações cada no segundo semestre

Do Rio Encena

“Esperança na Revolta” e “Um Tartufo”: três indicações Fotos: Reprodução/Facebook e Dalton Valério/Divulgação

A 31ª edição do Prêmio Shell de Teatro já tem definidos todos os seus indicados. Nesta quarta-feira (19), a organização do evento divulgou a lista dos melhores espetáculos do segundo semestre. Nesta relação, os destaques são “Um Tartufo”, da Cia Teatro Esplendor, e “Esperança na Revolta”, da Confraria do Impossível, duas produções independentes que receberão três citações, cada. Agora estes e outros 11 espetáculos se juntam aos escolhidos do primeiro semestre para concorrer ao prêmio de R$ 8 mil e à tradicional concha dourada na cerimônia que será realizada em março do ano que vem – ainda sem local definido.

Dentre as nove categorias da premiação, “Um Tartufo”, uma adaptação sem falas de um texto do francês Moliére, concorre em Figurino (Maria Duarte e Márcio Pitanga), Iluminação (Elisa Tandeta) e Inovação (pela caracterização de Mona Magalhães).

Já “Esperança na Revolta”, que trata dos efeitos da guerra e da reação do homem à violência, foi indicada a Autoria (Confraria do Impossível), Direção (André Lemos) e Música (Béa e André Lemos).

O homenageado desta edição será o diretor Aderbal Freire Filho pelo “espírito livre, inovador e combativo sempre em prol do teatro brasileiro”. Já o jurados da premiação carioca são Ana Achcar, Ana Luisa Lima, Bia Junqueira, Moacir Chaves e Patrick Pessoa.

Autoria
Confraria do Impossível por “Esperança na revolta”
Henrique Fontes e Pablo Capistrano por “A invenção do Nordeste”
Leonardo Netto por ”A ordem natural das coisas”

Direção
André Lemos por “Esperança na revolta”
Quitéria Kelly por “A invenção do Nordeste”

Ator
Bruce Gomlevsky por “Memórias do esquecimento”
Otto Jr. por “Tebas Land”

Atriz
Ana Kfouri por “Uma frase para minha mãe”
Nena Inoue por “Para não morrer”

Cenário
Doris Rolemberg por “A última aventura é a morte”
Marcelo Alvarenga por “Outros”

Figurino
João Pimenta por “Dogville”
Maria Duarte e Márcio Pitanga por “Um tartufo”

Iluminação
Aurelio di Simone por “Pandora”
Elisa Tandeta por “Um Tartufo”

Música
Béa e André Lemos por “Esperança na revolta”
Pedro Luís por “Elza”

Inovação
Mona Magalhães pela caracterização determinante para a construção da poética do espetáculo “Um tartufo”
Ocupação Ovárias por fomentar o protagonismo estético-político das mulheres na cena carioca

PUBLICIDADE