Prêmio Reverência 2017: ‘My Fair Lady’ e ‘Les Miserables’, de SP, são destaques, e Laila Garin leva o tri consecutivo

Luiz Maurício Monteiro

Equipe do espetáculo ‘Les Miserables’ recebe o prêmio de Melhor Espetáculo Fotos: Luiz Maurício Monteiro

A noite desta terça-feira (05) foi de festa tanto para o teatro carioca, como o paulista. Com apresentação da bem humorada dupla de atores Tiago Abravanel e Lucio Mauro Filho, foi realizada a cerimônia de entrega do III Prêmio Reverência, único a contemplar produções estritamente do gênero musical do eixo Rio-São Paulo. Promovida de forma alternada ano a ano entre as cidades, a festa, transmitida ao vivo pelo canal por assinatura Bis, aconteceu desta vez no Teatro Bradesco Rio, na Barra da Tijuca, onde os espetáculos “My Fair Lady” e “Les Miserables” foram os principais vencedores.

Os anfitriões da noite foram os atores Tiago Abravanel e Lucio Mauro Filho

Ambas paulistas, as montagens faturaram, respectivamente, cinco e três Rs (o troféu que leva a letra inicial do prêmio). Enquanto a primeira ganhou como Coreografia, Direção, Som, Figurino e Ator, a segunda saiu como Ator Coadjuvante, Atriz Coadjuvante e Melhor Espetáculo, a mais nobre e última a ser anunciada dentre as 15 categorias. “Cinderella”, que fez sua estreia nacional em São Paulo, também venceu três vezes: Cenografia, Espetáculo pelo voto popular e Iluminação.

Aliás, a título observação, seja por coincidência ou por distância mesmo, boa parte do vencedores por produções de São Paulo não compareceram à cerimônia e foram representados por terceiros.

Laila Garin exibe seu terceiro troféu seguido no Prêmio Reverência

Pelo lado do Rio, uma das vencedoras foi a Barca dos Corações Partidos. A companhia abocanhou dois troféus com as duas peças que estavam no páreo. Primeiro como Melhor Direção Musical (Alfredo Del-Penho e Beto Lemos) por “Auê” e depois na Categoria Especial, pelo conjunto da obra que inclui a própria “Auê” e “Suassuna – O Auto do Reino do Sol”, que, aliás, chegou à premiação como líder de indicações, com 10 no total.

Quem também triunfou foi Laila Garin. Ao subir ao palco como vencedora de Melhor Atriz por “Gota d’água [a seco]”, a atriz alcançou a incrível marca de três vitórias seguidas nesta mesma categoria do Reverência, já que anteriormente havia vencido com “Elis, a Musical”, em 2015, e “O Beijo no Asfalto – O Musical”, em 2016. Mas nem mesmo o tri a impediu de ficar nervosa após o anúncio de seu nome.

— O nervosismo é porque é sempre maravilhoso ganhar. E também porque a gente não sabe o resultado até chegar a hora. São tantos trabalhos maravilhosos, e os critérios são tão diferentes, que é sempre uma surpresa — explica Laila, comentando também o seu discurso, no qual exaltou grandes nomes do teatro musical brasileiro como Grande Otelo e Bibi Ferreira: — Acho que temos sempre que aprender com o quê já foi feito. Não vamos reinventar a roda. O teatro musical no Brasil está num ótimo momento, mas é bom lembrar lá atrás, eles fizeram muita coisa.

O espetáculo “Forever Young” foi um os números musicais da cerimônia

Laila e os outros vencedores foram anunciados de maneira intercalada com números musicais, o que é natural, por se tratar de uma premiação voltada para o gênero. A primeira apresentação ficou por conta dos próprios apresentadores, quando Abravanel “tentou” convencer Lucio Mauro a atuar em musicais. Em seguida, alguns dos próprios espetáculos concorrentes, como “Les Miserables, “Forever Young” e “Wicked”, deram uma palhinha.

Já o tradicional tributo a quem faleceu recentemente ficou para o final e foi feito de forma diferente. Atores/cantores subiram ao palco para cantar em homenagem a Renata Figueiredo (-2017), a Daniel Nunes (1988-2017), Solange Badim (1964-2017), e Rogéria (1943-2017), que tiveram imagens suas reproduzidas no telão.

O último número foi uma homenagem a artistas que partiram recentemente

Idealizado pela produtora Antônia Prado, o Prêmio Reverência teve nesta edição o júri formado pelos seguintes nomes: Daniel Schenker, Lucia Camargo, Macksen Luiz, Maria Luísa Barsanelli, Miguel Arcanjo Prado, Rafael Teixeira, Tania Brandão, Ubiratan Brasil, Abel Rocha, Ana Botafogo, Claudia Hamra, Janice Botelho, Kika Sampaio, Mirna Rubim e Wellington Nogueira. Confira abaixo a lista com todos os vencedores:

Melhor Autor
Fernanda Maia por “Lembro Todo Dia de Você”

Melhor Coreografia
Tania Nardini por “My Fair Lady”

Melhor Direção
Jorge Takla por “My Fair Lady”

Melhor Direção Musical
Alfredo Del-Penho e Beto Lemos por “Auê”

Melhor Design de Som
Tocko Michelazzo por “My Fair Lady”

Categoria Especial
Elenco da Cia. Barca dos Corações Partidos por “Suassuna – O Auto do Reino do Sol” e “Auê”

Melhor Cenografia
Rogério Falcão por “Cinderella”

Melhor Figurino
Fabio Namatame por “My Fair Lady”

Melhor Ator Coadjuvante
Ivan Parente por “Les Miserables”

Melhor Atriz Coadjuvante
Andrezza Massei por “Les Miserables”

Melhor Iluminação
Maneco Quinderé por “Cinderella”

Melhor Espetáculo pelo voto popular
“Cinderella”

Melhor Ator
Paulo Szot por “My Fair Lady”

Melhor Atriz
Laila Garin por “Gota d’água [a seco]”

Melhor Espetáculo
“Les Miserables”