‘Pippin’ – Paixão de longa data

Gilberto Bartholo

Gilberto Bartholo

68 anos, é ator, professor, crítico teatral e jurado do Prêmio Botequim Cultural.

Sempre que, formal ou informalmente, me pego conversando sobre TEATRO MUSICAL, sou levado a falar do grande salto que esse gênero teatral deu, no Brasil, nas três ou quatro últimas décadas, graças ao trabalho de algumas iluminadas pessoas, profissionais do mais alto nível, dentre os quais – tantos – destaco os nomes de CHARLES MÖELLER e CLAUDIO BOTELHO. Outros, evidentemente, graças aos DEUSES DO TEATRO, no Rio e em São Paulo, principalmente, também vêm dando sua inestimável colaboração, a ponto de tornar o Brasil já reconhecido e respeitado, até no exterior, como um celeiro de grandes produções musicais.

Na década de 70, a oferta de musicais, no Brasil era bem pequena, mas começava a ganhar algum corpo, “comendo pelas beiradas”, porém não havia pessoas que se interessassem tanto, e diretamente, pelo gênero e o “consumissem”, como nos dias de hoje. Atualmente, ou já há algum tempo, há um público cativo, que vem crescendo substancialmente, muito grande, para o TEATRO MUSICAL, pessoas ávidas de boas produções. Estas, mesmo com todos os óbices que surgem, pipocam, aqui e ali, principalmente no eixo Rio-São Paulo, fazendo a alegria das pessoas e nos enchendo de orgulho.

Como um privilegiado, que, de vez em quando, tem a oportunidade de conferir, “in loco”, grandes musicais, em Nova York (Broadway) ou em Londres (West End)– recentemente, até em TorontoCanadá, quando assisti a uma versão do velho e açucarado “Grease” -, fico feliz em ver quão excelentes são muitas das nossas montagens.

Não tínhamos “matéria-prima” para colocar nos palcos. E, quando digo isso, sempre uso, como referência ou exemplo, duas produções da década de 70 e um grande diretor, infelizmente, já falecido: Flávio Rangel. Ele dirigiu duas belíssimas obras, que marcaram a história dos musicais brasileiros“O Homem de La Mancha”, inaugurando o Teatro Adolpho Blochem 13 de janeiro de 1973, e “PIPPIN” (Estreou em 20 de julho de 1974.), no mesmo TeatroFlávio teve muita dificuldade, de verdade, para formar os dois elencos, uma vez que os atores não cantavam nem dançavam. Um ou outro se arriscava numa das duas vertentes, com atuações sofríveis ou razoáveis. E não era culpa deles, porque não tinham aprendido aquilo, na sua formação profissional; não lhes ensinavam o canto e a dança, com raras exceções, repito. Bissextamente, aparecia alguém, com um enorme talento, como Marília Pêra, por exemplo, que dava conta do recado, e muito bem, jogando na defesa, no meio-campo e no ataque. Marília, além de grande atriz, tinha formação em dança e canto. E era uma grande estudiosa. Foi ela, inclusive, a escolhida para ser a MESTRA DE CERIMÔNIAS, na primeira montagem de “PIPPIN”.

Paulo Autran, um verdadeir “ícone” do Teatro Brasileiro, fez um brilhante e inesquecível Dom Quixote, em “O Homem de La Mancha”, mas, praticamente, declamava as letras das canções, mais do que as cantava. Grande Otelo, que fazia um inesquecível Sancho Pança, na mesma montagem, também não dominava o canto. A exceção, no trio de protagonistas, era a diva Bibi Ferreira, a Dulcineia. Esta, sim, representavacantava e dançava, tudo maravilhosamente, com total perfeição.

Naquela época, os diretores que pretendiam montar um musical sofriam, por não terem, às mãos, gente capacitada a encarar um. Hoje, eles também sofrem, mas por outro motivo: o oposto. Sofrem, por terem de dispensar tanta gente com talento em excesso, pois, para cada nova audição, candidatam-se centenas de talentosos jovens, lutando por um papel. E os atores mais velhos estão procurando, também, aprender a cantar e a dançar, porque há espaço para eles também. Hoje, ainda surge uma nova “exigência”, já tão posta em prática, que é o/a ator/atriz saber tocar um instrumento musical. Aí, fica tudo completo.

Feito esse extenso preâmbulo, vamos ao alvo desta crítica, que é uma modesta análise de uma segunda montagem de um dos meus musicais favoritos, “PIPPIN”, em cartaz no Teatro Clara Nunes, desta vez pelas mãos de CHARLES MÖELLER CLAUDIO BOTELHO. Não farei nenhuma comparação com a primeira montagem, há 44 anos, por não ver o menor sentido nisso e porque são duas realidades e propostas completamente diferentes, ambas estupendas.

Assisti ao “PIPPIN” 2018 duas vezes (por enquanto): na sessão para convidados e três dias depois. Vi dois espetáculos distintos, o segundo bem melhor que o primeiro. A razão disso é muito simples de se entender. No dia da estreia e na sessão para convidados, regra geral, quase todos, em cena, com algumas exceções, deixam-se tomar por um nervosismo, até compreensível, uma vez que serão “julgados” por pessoas que têm intimidade com o TEATRO, e não pelo público comum, o qual, além de seu bom (ou mau) gosto, não tem embasamento técnico para avaliar uma peça. Por conta disso, tenho evitado, o quanto posso, comparecer a sessões de estreia ou às chamadas VIPs (não costumo utilizar o termo, pois “vips” são todas as pessoas). Apenas em casos especiais (“PIPPIN” era um, para mim, pois aguardava a atual montagem, ansiosamente, fazia tempo.), compareço a sessões adjetivadas como “especiais”.

Adoro o musical e a atual montagem está linda, porém houve alguns problemas que não me deixaram cem por cento feliz com o que vi, na primeira vez. Mas, assim mesmo, valeu a pena. Fiz questão, porém, de rever logo a peça, com o intuito de escrever sobre ela, na certeza plena, e ratificada, de que assistiria a um espetáculo mais “limpo”, com os problemas resolvidos e que, evidentemente, melhorará, mais ainda, a cada nova sessão. Pretendo aplaudir “PIPPIN” mais algumas vezes.

 

SINOPSE

 

Comandada pela MESTRA DE CERIMÔNIAS / LÍDER DE UMA TRUPE TEATRAL (TOTIA MEIRELES), a “companhia” teatral conta a história do príncipe PIPPIN (FELIPE DE CAROLIS), filho e herdeiro do trono do REI CARLOS MAGNO (JONAS BLOCH).

Em busca do sentido da sua vida e para atingir uma existência “extraordinária”, algo que o completasse totalmente, como ser humano, ele segue os conselhos de BERTHE, sua avó (NICETTE BRUNO), estes positivos, e da madrasta FASTRADA (ADRIANA GARAMBONE), nada construtivos.

Passa por batalhas, experimenta o poder, a simplicidade e o amor, até atingir seu objetivo maior na vida. (Ou não?)


Um clássico dos musicais, na década de 70 (estreou em 1972)“PIPPIN”recebeu onze indicações ao Tony Awards e conquistou cinco prêmiosMelhor AtorMelhor CenografiaMelhor Iluminação e Bob Fosse ganhou os de Melhor Direção e Melhor Coreografia. A montagem causou uma revolução estética na Broadway“com uma estrutura ousada e a aposta na metalinguagem” (o TEATRO dentro do TEATRO). Decididamente, “PIPPIN” não é um musical como os outros; ele é quase único. Em 2013, mereceu um “revival”, na meca dos musicais, com estrondoso sucesso, ficando, por quase dois anos, em cartaz e ganhando quatro prêmios Tony.

Às vésperas de completar 30 anos de vitoriosa parceria, este é o 43º espetáculo assinado pela dupla MÖELLER & BOTELHO. Com os direitos de montagem adquiridos por eles, já há algum tempo, os dois foram adiando, por motivos vários, esta encenação, mas valeu a pena, pois se trata de uma de suas melhores criações, dentre tantas outras. Para falar a verdade, quase todas o são. Eu tenho o meu “top 41”, com relação às peças assinadas por M&B, com direito às minhas preferidas, que não cabem nos dedos das duas mãos. Acho que nem se os dos pés entrassem na contagem. Mas por que 41, de 43? Porque, que eu me lembre, apenas duas montagens da dupla não me agradaram como as outras, mas os que me leem ficarão sem saber quais foram, para evitar celeumas.

A atual leitura de “PIPPIN” é digna de todos os elogios e, com certeza, estará brigando por premiações, ao final da temporada de 2018, já que, merecidamente, faz jus a elas.

espetáculo tem uma “dramaturgia arrojada”, que foge aos padrões da grande maioria dos musicais, valorizada, entre nós, pela versão brasileira, de CLAUDIO BOTELHO. Por ser uma peça política, na sua essência, na melhor acepção do termo, BOTELHO resolveu acrescentar detalhes, na sua versão, que aproximam mais o público brasileiro do espetáculo, das mensagens que o texto contém e já trazia, de outra forma, no original. Colocou, na boca de alguns personagens, falas que nos dizem muito, de perto, as quais podem ser associadas à vida política nacional, chegando até, por meio de uma “pérola, brilhante e ‘cheia’ de sentido”, dita pelo rei CARLOS MAGNO, a nos lembrar uma folclórica, para ser mais leve, chefa do governo brasileiro, mestra nesse tipo de frases: “O pôr do sol parece com o nascer do sol; mas é diferente.” (ou vice-versa, o que dá no mesmo). Além disso, CLAUDIOaproximou o passado do presente, e faz, na sua versão, alusão a “fazer um doc”; usa a adjetivação “bela, recatada e do lar”; critica a Guerra Santa, as 1ª e 2ª Guerras Mundiais, a Guerra da Síria, não perdendo a oportunidade de comentar sobre os números de mortos por violência, no Brasil, superior aos daqueles conflitos bélicos. Não poderiam ficar de fora, também, as “fake news”, sem falar no pouco caso das “autoridades” brasileiras no tocante à cultura, em geral, ao colocar, na boca de um personagem, algo como isto: “Quando o rei faz cortes no orçamento, a primeira coisa a ser cortada é a arte.”. Abriu espaço, também, para um oportuno “Fora, Carlos!”.

Como deve ser mesmo um musical, as 15 canções que compõem o “set list”ajudam a contar a história, totalmente inseridas em cada cena a que estão atreladas, no que diz respeito às letras, estas, no original, escritas por STEPHEN SCHWARTZ, o mesmo gênio que também criou outras OBRAS-PRIMAS, como “Godspell” e “Wicked”, por exemplo, também compositor das belíssimas melodias. E, já que estamos no quesito “canções”, não posso deixar de dizer que sou apaixonado por todas e que me atrevo a cantá-las, no chuveiro, com as letras em inglês, enquanto não tenho acesso às versões, o que espero conseguir em breve.

Eu poderia relacionar muitos motivos para que se assista a este fantástico espetáculo, porém vou ater-me a apenas alguns, o que já fará esta crítica, que vem sendo escrita “em capítulos”, interrompida, várias vezes, por diversos motivos, bastante extensa. Mas não posso frear as minhas emoções, diante de uma maravilha, como “PIPPIN”.

texto, sem dúvida, já bastaria para credenciar a peça como excelente, por sua estrutura, temática e viés político, como já disse, atingindo a públicos, creio eu, de diversas nacionalidades, idades, sexos, credos, já que o protagonista carrega consigo um drama existencial, por isso mesmo, universal, ou seja, a procura pelo eu, pela sua própria essência, por sua razão de existir.

direção preocupou-se com uma montagem leve, bastante humanística, bem humorada, cercando-se dos melhores profissionais nas áreas que servem de apoio a uma montagem teatral. É muito valiosa a ficha técnica do espetáculo, aqui dissecada, com detalhes.

ROGÉRIO FALCÃO, com mais de vinte projetos desenvolvidos com a dupla M&B, sem a menor dúvida, assina uma de suas melhores cenografias, ao mesmo tempo simples, arrojada e funcional; acima de tudo, deslumbrante. O que predomina é algo como o ambiente de um circo-teatro mambembe, abrindo-se espaços para outras ambientações, com o auxílio de poucas peças, como um trono e uma cama, por exemplo, além de objetos de cena, menores. A imagem cenográfica que ficará, com total certeza, na memória de todos os que assistirem ao musical será a belíssima boca de cena, peça que, como já disse, em críticas anteriores, sobre trabalhos de ROGÉRIO, merecia um lugar de destaque num museu de cenários, se este existisse.

figurinistaLUCIANA BUARQUE, foi de uma felicidade ímpar, ao desenhar os figurinos da peça, que atendem às necessidades do espetáculo, todos de um padrão “top”, em termos de beleza, bom gosto e apuro técnico, com destaque para os trajes do REI CARLOS MAGNO e da avó, BERTHE, ambos ostentando a riqueza da realeza. Também destaco o figurino usado por CRISTIANA POMPEO, na pele de CATHARINA, pelo que apresenta de simples, bucólico, criativo e divertido. LUCIANAutilizou uma paleta que vai do Oiapoque ao Chuí.

A lindíssima iluminação, de ROGÉRIO WILTGEN, é um detalhe especialíssimo, para criar um clima onírico em que se dá a encenação. Contribuem, para isso, as variadas cores que são lançadas sobre tudo o que ocupa o espaço cênico, na proporção exata de cada exigência. Tudo ganha mais beleza e dinamismo, com a magnífica luz de ROGÉRIO.

ALONSO BARROS, cujo talento jamais me canso de elogiar, é o responsável pelas complexas coreografias da peça, algumas lembrando outras versões, inclusive a original, mas todas com o seu toque especial e criativo. ALONSO abusa, no melhor sentido, de passos e traços coreográficos ligados a pantomimas circenses, não desprezando, também, o velho e bom sapateado.

Na parte musical, não posso deixar de fazer referência à beleza de todas as canções, sem qualquer exceção, que compõem uma intrincada trilha sonora original, cujas partituras são de difícil execução, para quem toca e para os que cantam. O elenco e os músicos, porém, não veem, nisso, grande obstáculo e se jogam, com todo o seu potencial, nas suas execuções. A direção musical, tarefa das mais difíceis, nesta montagem, é assinada por um talentoso mestre no assunto, JULES VANDYSTADT, que compôs arranjos adicionais para a orquestração original de LARRY HOCHMEN, tudo sob a supervisão musical geral de CLAUDIO BOTELHO. A peça oferece a todos os personagens de destaque, na trama, momentos de solo, cada um melhor que o outro.

E, já que falamos nos músicos, quero fazer justiça ao fantástico desempenho da banda, que ocupa as duas laterais superiores do palco, formada por HEBERTH SOUZA (regência / teclado 1), EVELYNE GARCIA (teclado 2 e acordeão), LEONARDO FANTINI (violino), TASSIO RAMOS / LEANDRO VASQUES (contrabaixo elétrico e acústico), ANDRÉ BARROS / THIAGO TRAJANO (guitarra e violão), MÁRCIO ROMANO (bateria e percussão), DIOGO GOMES (trompete e flugelhorn) e ALEX FREITAS (flauta, piccolo, clarinete, sax soprano e sax alto). São poucos, quantitativamente, oito elementos, mas que dão a impressão de estarmos ouvindo uma orquestra de muitos músicos.

Não se podem apontar falhas na sonorização, graças ao ótimo trabalho dedesenho de som, a cargo de MARCELO CLARET, um antigo parceiro da dupla M&B, mais uma vez pondo em prática seus conhecimentos técnicos, para garantir que tudo seja ouvido com clareza e precisão.
estética dos personagens deve muito ao ótimo trabalho de visagismo, bastante lúdico, assinado por BETO

CARRAMANHOS, outro antigo colaborador nos projetos da dupla de encenadores.

É muito raro – quase nunca acontece – alguém mencionar um(a) profissional muito importante, numa montagem teatral, que trabalha na produção de elenco, aqui representado por uma mulher, bastante tarimbada, na função, que acerta, em cheio, nas suas indicações, que é MARCELA ALTBERG. Ela tem um dedo certeiro e um “faro” apurado, nas suas escolhas; ou melhor, nas suas sugestões, já que a escolha final do elenco é feita por um grupo de técnicos, profissionais, com o peso maior dadireção.

Graças ao profissionalismo de MARCELA e dos diretores da peça, assim como outros que opinam, chegou-se a um elenco nota mil, do protagonista ao mais simples personagem, dos atores mais consagrados e presentes, com frequência, na grande mídia, aos menos conhecidos; dos que atuam aos que dançam.

FELIPE DE CAROLIS atrai as atenções do público, por protagonizar a peça, na pele de um jovem que parece o único ser real, no meio de seres e entidades voláteis. FELIPE se projetou num musical da dupla M&B“O Despetrar da Primavera”, em 2008, e, de lá para cá, atuou em grandes espetáculosmusicais ou não, ousando, com total sucesso, investir, também, na função de produtor, como o faz nesta montagem, associando-se à M&B. Leva grande vantagem, para conquistar a simpatia do público, graças a seu talento, carisma pessoal e ao dopersonagem. Todos sentimos vontade de levar o personagem para casa e tentar resolver o seu “problema”, o seu drama existencial. Por ter atuado em outros musicais,FELIPE representa, canta e dança bem, não encontra grandes desafios na composição do personagem, a não ser o de enfrentar a hercúlea tarefa de dominar o canto, em solos ou duetos, numa partitura de difícil resolução, como a de “PIPPIN”. Nota-se o seu grande esforço e imensa dedicação nos números musicais, saltando, do conforto das notas ajustadas ao seu registro vocal, de tenor, salvo engano, para as mais agudas, incluindo a necessidade de apelar para os falsetes, tudo dando certo, no final. É uma alegria muito grande vê-lo em cena, um prazer que se renova a cada peça de que participa.

TOTIA MEIRELES cabe a incumbência de “narrar” e conduzir o espetáculo, como MESTRA DE CERIMÔNIAS / LÍDER DA TRUPE TEATRAL, costurando as cenas e fazendo intervenções absolutamente necessárias, com toques de um ótimo humor, que cabe à personagem, quando, para citar apenas um momento, funciona como o “Google” do ano 840 d.C., explicando, à plateia, por exemplo, o que vem a ser “frísios” e “visigodos” (um glossário ao vivo). TOTIA é uma de nossas mais completas atrizes e, sem dúvida, um nome de respeito na galeria das grandescantrizes brasileiras. Nem me atrevo a dizer o número de grandes musicais de que participou, sempre com o maior brilhantismo. Jamais a vi num papel menor ou numa atuação idem. Cada vez que entra em cena, nesta peça, parece que o palco fica mais iluminado, com o acréscimo de sua luz própria. O seu papel, originalmente, foi escrito para ser interpretado por um homem, como o fez, brilhantemente, o grande Ben Vereen, na primeira montagem de “PIPPIN”. No “revival”, de 2013Patina Miller fez o(a) personagem, mas não foi a primeira mulher a representá-lo(a), uma vez que, noBrasil, como já disse, o papel foi defendido, muito antes, por Marília Pêra e, depois, por Suely Franco, que a substituiu.

Meus amigos, alguém pode me dizer o que é NICETTE BRUNO em cena? Ou melhor, DONA NICETTE, como merecem ser tratadas todas as grandes divas doTEATRO? E num musical? Ela não é, somente, uma atriz; é uma “entidade”, uma“deusa”, que nos faz arrepiar, saudada, com calorosos aplausos e gritos, quando aparece no palco, antes mesmo de dizer a primeira palavra; arranca aplausos da plateia durante toda a sua breve, porém marcante cena; deixa-nos emocionados e orgulhosos de seu impecável trabalho, com sua jovialidade, do alto dos seus 85 anos de idade e cabeça de uma “mocinha”. Sua baixa estatura ganha extensão e projeção, no palco; cresce, pela força de seu talento, carisma, simpatia e, também, pelapersonagem que interpreta, a irreverente, libertária e hedonista, para a quem “o prazer é o supremo bem da vida humana”BERTHE, avó de PIPPIN, a qual vive autoexilada, por não aprovar o casamento de CARLOS MAGNO com FASTRADA, com a qual não tem a menor afinidade. Entra em cena, cercada por um grupo de rapazes “sarados” e tira proveito dessa situação, insinuando, de forma levemente “picante”, uma, talvez, “intimidade” com eles. É hilária e inesquecível a sua participação na peça, o que atinge o auge, no final da cena, quando, cantando, a seu jeito, com a alma, mais que com a voz, a canção “A Vida É Uma Só” (“No Time At All”), dá conselhos ao neto, para que viva intensamente e desfrute dos prazeres da carne, destacando-se um refrão, no qual a personagem solicita, à plateia, que a acompanhe, enquanto a letra da canção é projetada ao fundo: “VAI, QUE A VIDA É SÓ UMA / VAI SE BAGUNÇAR, DEPOIS A GENTE TE ARRUMA / VAI SEM PENSAR, PORQUE NÃO TEM TALVEZ / VIVER É SÓ UMA VEZ”.

A figura do REI CARLOS MAGNO combina muito com o “physique du role” e a postura do ator JONAS BLOCH. O papel lhe cai muito bem e ele o defende com competência, deixando bem claros os traços de sua personalidade, extrapolados, propositalmente, pela dramaturgia. É inconsequente; debochado; engraçado; ausente, para os seus súditos; e, até mesmo, cruel. JONAS o faz próximo a um anti-herói.

FASTRADA, a “MÁ-drasta” de PIPPIN, é interpretada por ADRIANA GARAMBONE, outra muitas vezes presente nos musicais que levam a chancela deM&B. Ótima atriz, ainda canta e dança com perfeição, nada ficando a dever às atrizesque já interpretaram a personagem, fora do Brasil. Fica bem implícita uma incestuosa relação, entre FASTRADA e seu filho LEWIS. Na segunda vez em que assisti à peça, a personagem foi vivida, extremissimamente bem, por BEL LIMA.

direção da peça soube explorar a veia cômica de CRISTIANA POMPEU, que interpreta CATHARINA, uma viúva, fazendeira, “do interior mineiro”, com um forte sotaque regional, um verdadeiro achado. CRISTIANA é muito espontânea e construiu a personagem na medida certa, sem apelações para o humor barato. Suas cenas são bem descontraídas e agradam, sobremaneira, ao público.

GUILHERME LOGULLO também desempenha bem sua função, como LEWIS, o meio-irmão do protagonista, dentro do que se pode considerar um bom trabalho.

Para finalizar a apreciação sobre os personagens de proa da peça, reservo um comentário especial para o menino LUIZ FELIPE MELLO, que vive o personagemTHEO, filho de CATHARINA e que se dá bem com PIPPIN (A boa relação entre os dois vai sendo construída paulatinamente.), durante um ano, tempo que durou a relação entre este e aquela, na fazenda. O menino, que deve ter doze ou treze anos – na verdade, um pré-adolescente -, é veterano na TV e já atuou em diversas peçasteatrais, inclusive com M&B, em “Nine – Um Musical Felliniano”espetáculo no qual, bem mais jovem, interpretava o personagem Guido Contini, quando criança. Ele é um ator mirim muito firme e determinado, que leva a sério o que faz e me surpreendeu bastante, ao cantar, atingindo notas altas e sustentando-as; apesar de pequeno, sua voz já está bastante amadurecida, para a sua idade. É uma grata surpresa, na peça.

Ao todo são 19 atores, em cena, contando com os bailarinos, que também atuam. Além dos que interpretam os principais personagens, sobre os quais já falei, todos os demais, que vivem dezenas de personagens, dentro da trupe teatral, têm um desempenho excelente. São eles, por ordem alfabética: ANALU PIMENTA, BEL LIMA, BRUNINHA ROCHA, DANIEL LACK, FLÁVIO ROCHA, JÉSSICA AMÊNDOLA, JOÃO FELIPE SALDANHA, PAULO VICTOR, RODRIGO CIRNE,SÉRGIO DALCIN e VICTORIA AGUILLERA.

Na coordenação artísticaTINA SALLES é fundamental, uma vez que dela depende toda a organização dos ensaios, obedecendo ao método de trabalho dos amigos e parceiros de longa data, M&B, desde 2003, para que tudo seja feito da melhor maneira e no menor tempo possível. Ela otimiza os ensaios, de modo a que tudo flua a contento.

Um pouco do “release”, enviado por PEDRO NEVES (FACTORIA COMUNICAÇÃO – ASSESSORIA DE IMPRENSA)Este é um musical com muito mais substância e camadas do que se imagina. ‘PIPPIN’ é uma comédia cínica, que traz um protagonista absolutamente moderno, cheio de dúvidas e questionamentos, com um vazio existencial que jamais será preenchido. É um dos motivos pelo qual é chamado de ‘Hamlet’ dos musicais. Ele rejeita antigos clichês e quebra com algumas tradições do gênero.  Como se não bastasse, ele retoma essa ideia do ‘teatro dentro do teatro’ e traz um grupo teatral e a figura da MESTRA DE CERIMÔNIAS, para contar a história”, diz CHARLES MÖELLER. E continua: “O musical fala muito sobre a decisão entre enfrentar um mundo real ou permanecer em um mundo de aparências ou de magia, como o que é mostrado em cima de um palco. É um tema muito atual, em um mundo de redes sociais e realidades falseadas”.

A cena de abertura do musical, com a emblemática “Temos Mágicas” (“Magic To Do”), já prende a atenção total do espectador e é um prenúncio do que vai acontecer em  duas horas e meia de espetáculo, com um intervalo. O conjunto música/coreografia/figurinos/iluminação é o grande responsável por isso.

Outras cenas também merecem destaque e, para elas, chamo a atenção de quem vai assistir ao musical. Dentre tantas, posso citar a da batalha contra os visigodos; a sugestiva cena de uma orgia sexual, toda coreografada e sem qualquer apelação ou elemento de mau gosto; outra em que FASTRADA encoraja PIPPIN a trair e matar seu próprio pai, para, depois, ela colocar, no trono, seu outro filho, LEWIS(Prestem atenção à brilhante ideia do jogo de xadrez!); e o “gran finale”, que surpreende bastante.

Considero “PIPPIN” uma OBRA-PRIMA, como já disse, e a montagem atual, por ser lúdica, alegre e moderna, merece muito ser vista, até mais de uma vez, por quem aprecia o gênero musical, na certeza de que pagarão por um produto de excelente qualidade, o qual, terminada a sessão, fica, indelevelmente, guardado na memória afetiva dos amantes do TEATRO e, em especial, dos musicais, como eu.

E VAMOS AO TEATRO!!!

OCUPEMOS TODAS AS SALAS DE ESPETÁCULO DO BRASIL!!!

COMPARTILHEM ESTA CRÍTICA, PARA QUE, JUNTOS, POSSAMOS DIVULGAR O QUE HÁ DE MELHOR NO TEATRO BRASILEIRO!!!

Dúvidas, críticas ou sugestões, envie para gilberto.bartholo@rioencena.com.br.

PUBLICIDADE