Peça itinerante ‘Inimigo Oculto’ percorre cômodos da Casa Rio para tratar de violência contra a mulher

Do Rio Encena

As cenas do espetáculo serão realizadas em diferentes cômodos da Casa Rio Foto: Alexander Oliveira/Divulgação

As artes cênicas são, definitivamente, um lugar propício para se falar sobre violência contra a mulher. Além de “Por Elas”, que está estreando nesta quarta-feira (01), no Museu da Justiça, “Inimigo Oculto” chega à Casa Rio, em Botafogo, nesse sábado (04), às 20h, para alertar sobre o mesmo tema. A peculiaridade deste espetáculo, porém, é que ele é itinerante. Ou seja, as cenas serão apresentadas em diferentes cômodos da residência, composta de quatro quartos, banheiros, cozinha e sala multiuso.

Sem narração, as cenas de “Inimigo Oculto” se fazem de silêncios, diálogos e ações para contar fragmentos de várias histórias e retratar os diferentes tipos de violências, seja psicológica, física, sexual ou moral, que podem ser cometidos contra uma mulher, podendo ela ser filha, esposa, namorada etc. Sobre a escolha pela atmosfera doméstica da Casa Rio, a diretora Andrea Bordadagua, que divide a função com Rodrigo França, explica que a ideia é aproximar o público das tramas apresentadas e causar empatia imediata.

— Possibilitamos que as pessoas vejam o quanto naturalizamos diversas violências, transmitindo um olhar diferenciado sobre as relações abusivas. A montagem teve sua concepção sob o conceito de provocar empatia e dessa forma, desejamos que o público reflita a partir da experiência cênica e de sua própria vida — acrescenta.

Com texto do próprio Rodrigo França em parceria com Roberta Simoni, “Inimigo Oculto” segue em cartaz até o próximo dia 26, com sessões também domingos, às 19h. A classificação etária é 16 anos, e os ingressos custam a partir de R$ 20 (meia).

PUBLICIDADE