‘Pagliacci’ – belo e merecido tributo a Domingos Montagner

Gilberto Bartholo

Gilberto Bartholo

67 anos, é ator, professor, crítico teatral e jurado do Prêmio Botequim Cultural.

É uma grande dádiva sair de um Teatro em total estado de graça, principalmente um dia após ter assistido a um “desastre” num palco.

É, profundamente, gratificante assistir a mais um magnífico espetáculo, oferecido pela CIA. LA MÍNIMA“PAGLIACCI”, em cartaz no Teatro SESC Ginástico.

É de arrepiar, da primeira à última cena!!!

Com três indicações ao Prêmio APCA (melhor autor, para LUIZ ALBERTO DE ABREU; melhor diretor, para CHICO PELÚCIO; e melhor ator, para FERNANDO SAMPAIO) e uma indicação ao Prêmio SHELL, por São Paulo (melhor música, para MARCELO PELLEGRINI), o espetáculo chegou ao Rio de Janeiro, para, certamente, acrescentar mais alguns prêmios à sua galeria de troféus.

A peça é mais uma linda e vitoriosa produção da CIA. LA MÍNIMA, com sede em São Paulo, que, há 20 anos, nos encanta com suas montagens. A peça é a primeira da companhia sem o ator-fundador DOMINGOS MONTAGNER (falecido, tragicamente, em 15 de setembro do passado), que participou de toda a concepção do projeto, durante o ano de 2016. A montagem celebra os 20 anos do grupo de circo e teatro LA MÍNIMA, criado por DOMINGOS e FERNANDO SAMPAIO, e tem direção de CHICO PELÚCIO, do Grupo Galpão”A concepção desta montagem foi iniciada um ano antes, pela dupla, especialmente para a comemoração do vigésimo aniversário da companhia.

É muito difícil encontrar palavras que consigam descrever este espetáculo e a emoção que ele provoca no público, principalmente em mim, porque, além da minha já tão conhecida paixão pelo TEATRO, a ela, paralelamente, em escala ligeiramente inferior, corre uma outra, pelo CIRCO e, especialmente pelos “PAGLIACCI”. Aos 68 anos, ainda rio e choro, de emoção, com eles, como aconteceu ontem (30 de novembro de 2017).

Com um único grandioso espetáculo, a LA MÍNIMA consegue comemorar duas décadas de excelentes serviços prestados à ARTE BRASILEIRA e, também, prestar um lindo tributo a um de seus fundadores, que, se não nos tivesse deixado, tão precocemente, estaria no palco, brindando-nos com seu talento e carisma: DOMINGOS MANTAGNER.

Extraído do “release” da peça, enviado por JSPONTES (JOÃO PONTES e STELLA STEPHANY) “Tudo combinado e o inesperado aconteceu. A perda de DOMINGOS MONTAGNER, capitão dessa embarcação. Por ele, pelo público, pelo CIRCO, pelo TEATRO, pela história do LA MÍNIMA, FERNANDO SAMPAIO e LUCIANA LIMA, valentemente, assumiram, com sua equipe: ‘levantar âncora, içar velas, seguimos rumo ao PAGLIACCI’. Arregaçamos as mangas, recompusemos a tripulação, corrigimos a velocidade e a rota, certos de que, nas noites da travessia, iríamos contar com a luz do querido amigo, que virara estrela.”

Só por essa declaração de amor ao companheiro desaparecido, no auge de sua carreira, já se pode aquilatar os 90 minutos de incomensurável emoção, dedicados a fazer arte, a mais pura, genuína e competente arte, apresentada neste inesquecível trabalho.

SINOPSE

A história, alternando comédia e drama, se reporta aos conflitos inerentes ao ser humano.

O velho bufão PEPPE (FERNANDO PAZ) conta, ao público, como CANIO (ALEXANDRE ROIT), chefe de uma tradicional trupe de palhaços, ambicionava tornar-se reconhecido e respeitado como artista de “bom gosto” e produtor de espetáculos “de nível”.

Para isso, resolve abandonar os tradicionais números circenses de palhaçaria, em busca de uma peça, que levasse, ao palco, as grandes emoções humanas, e trouxesse o sucesso popular e o reconhecimento da crítica.

Desejava CANIO que esse espetáculo não abandonasse os refinados números circenses, porém que estes fossem apenas um suporte para as grandes emoções proporcionadas pelo drama, com uma valorização maior do texto. Queria que fosse uma peça que “expusesse, no palco, as grandes emoções humanas”.

Para atingir seu objetivo, confia a PEPPE a tarefa de escrever a peça. Este, porém, está sempre travando discussões com CANIO, que vive a se intrometer na concepção da obra.

O resultado disso é que PEPPE decide, então, fazer com que a ficção imitasse a realidade e escreve uma peça, reproduzindo os conflitos do momento na companhia, expondo ciúmes, traições e vilanias. O resultado, após a estreia, não agrada ao público.

A peça, que tem texto de LUÍS ALBERTO DE ABREU, é uma adaptação, livremente inspirada na ópera “I Pagliacci”, do italiano Ruggero Leoncavallo (1857-1919), apresentada, pela primeira vez, no Teatro Dal Verme de Milão, em 21 de maio de 1892, obra mundialmente conhecida, que conta a história de uma companhia circense, decidida a abandonar suas origens e encenar um drama refinado.

Antes de falar sobre o espetáculo, propriamente, vale dizer que, para apresentar o projeto, em 2016, numa sinopseDOMINGOS MANTAGNER usou a palavra “generosidade”, para conceituar o trabalho do palhaço“(…) uma arte exigente, que pede vocabulário e apuro técnico dos seus intérpretes, anos de prática, um profundo conhecimento da alma humana e acima de tudo, generosidade”Isso é, exatamente, o que se vê no palco / picadeiro do Teatro SESC Ginástico ou em outro qualquer espaço em que a peça esteja sendo apresentada.

Com a morte de DOMINGOS, a dupla de palhaços, Agenor e Padoca, que ele formava com Fernando Sampaio, deixou de existir. Ambos dividiam as criações da CIA. LA MÍNIMA. Parecia, também, a morte do grupo, após 14 trabalhos já realizados, todos com muito sucesso, entretanto, FERNANDO e LUCIANA LIMAprodutora da companhia, desde 2001atriz e esposa de MONTAGNER, juntaram os cacos que ficaram, somaram as suas dores e saudades, partindo para a decisão de levar adiante o projeto de “PAGLIACCI”. E o espetáculo foi tomando forma, até chegar à obra-prima que é hoje.

Ainda retirado do “release”“DOMINGOS MONTAGNER costumava reunir, num caderno, desenhos seus, de números, cenários e figurinos. Alguns destes estudos do ator acabaram sendo usados no cenário de MÁRCIO MEDINA e MARISTELA TETZLAF, inclusive o palhaço que representa o logotipo do espetáculo foi inspirado, também, num desenho seu”. Para onde se olhar, lá estará uma marca de DOMINGOS. Em tudo, ele está presente, neste espetáculo. Em sua concepção, ele buscou a mistura de números cômicos e elementos líricos e melodramáticos. Nesta adaptação, estão amalgamados elementos da dramaturgia “na própria linguagem teatral e circense: a farsa, o metateatro, a eliminação da linearidade, tão característica da linguagem circense”como afirma LUÍS ALBERTO DE ABREU.

A fusão das duas linguagensTEATRO e Circo, dentre outras, não é nenhuma novidade. Não é por aí que o espetáculo merece ser reconhecido como uma obra-prima (não me canso de assim me referir a ele), mas pela qualidade da montagem, pelo magnífico talento e trabalho dos atores / artistas circenses, pela brilhante adaptação, pela excelente direção, por toda a perfeita parte técnica e, principalmente, pelas toneladas de sentimento e emoção despejadas em cena.

Qualquer caudaloso “rio de palavras”, para comentar este espetáculo seria, ainda, insuficiente, para ser fiel à realidade. Assim, para poupar o tempo do leitor, trocarei quantidade por qualidade e farei uso de um pequeno “córrego”. Mas não é qualquer um; é o córrego a que se refere o maior dos poetas, Fernando Pessoa, numa de suas obras máximas, “O Guardador de Rebanhos”, quando diz que “O Tejo não é maior que o rio que corre pela minha aldeia, porque o Tejo não é o rio que corre pela minha aldeia”. A importância de “PAGLIACCI” está acima de tudo, acima de qualquer “Tejo de palavras”.

Dramaturgoroteirista e professor de dramaturgia, apresentações que constam no cartão de visita de LUÍS ALBERTO DE ABREU, dizem bem do seu ofício: escrever para o TEATRO. Esta adaptação e escrita do texto devem ter sido um bom desafio, obstáculo que ele transpôs e executou sem cometer nenhum pecado. ABREU conseguiu dosar tudo, cada elemento na medida certa, para alcançar um equilíbrio que não priorizasse o piegas do dramalhão, o humor ingênuo, às vezes, até, sem-graça, dos “clowns” ou a crueldade do real. Acima de tudo, ele busca, e consegue, escrever uma ode às artes circenses e, em especial, a seres tão singulares, que são os palhaços. Mantendo a ideia original do libreto da ópera, ele consegue superar o fio da trama original, com inserções de um magnífico humor. Acima de tudo, reverencia, “comme il faut”, numa verdadeira declaração de amor, a arte circense e os artistas populares. Fica bem explícito que a estrutura dramatúrgica existe para sustentar os números circenses, além, obviamente, de nos levar a uma reflexão acerca do que representam, para nós, principalmente no mundo de hoje, as artes e o humor.

Foi felicíssima a CIA. LA MÍNIMA, ao convidar CHICO PELÚCIO, para dirigir o espetáculo. CHICO tem larga experiência em espetáculos populares, para grandes platéias, no emblemático Grupo Galpão, como ator e diretor, e isso já bastava para credenciá-lo à tarefa de direção da peça. Acostumado a brincar com o lúdico e o simples, mas o simples “refinado”, de bom gosto, aquele que encanta e emociona, ele levou para esta montagem uma proposta de tamanha singeleza, simplicidade e, ao mesmo tempo, de um extremíssimo apuro técnico, embebido em tanta poesia, que o resultado só poderia, mesmo, dar no que deu: uma obra de arte de elevado quilate, uma obra-prima, que provoca risos, de todos os tipos e intensidades, lágrimas, de alegria e de tristeza, e total imersão num universo onírico, o mundo mágico do circo.

CHICO ainda atrai, para si, o mérito de saber explorar o potencial artístico de cada um do elenco, permitindo que todos se destaquem, natural e espontaneamente, numa harmonia de interpretação raramente vista em cena, com um destaque, como não poderia deixar de ser, para FERNANDO SAMPAIO (SÍLVIO), um ser iluminado, daquelas pessoas que nos despertam uma vontade enorme de tê-lo no colo, acariciá-lo, beijá-lo, com ternura, e, depois, levá-lo para casa, onde deveria ocupar um lugar de destaque no nosso lar. Mas ele cabe inteiro nos nossos corações. E ele é grande demais, para se decompor em tantos pedaços.

Sem querer, já entrei na análise do elenco, começando por aquele que parece um ímã, que nos atrai, desde sua primeira aparição, até o fechar das cortinas. Falar de FERNANDO SAMPAIO é, acima de tudo, prestar todas as reverências de que são merecedores os palhaços e os artistas populares, em geral. Inquestionavelmente, é um dos grandes atores, dos que já tive a honra e o prazer de ver atuar, em 68 anos de vida, que melhor sabem trabalhar as máscaras faciais, com ou sem maquiagem. Ele não precisa falar, pois diz tudo com o rosto, as mãos e o resto do corpo.

FERNANDO tem consciência de sua grande importância nesta montagem, e em todas já apresentadas pela CIA. LA MÍNIMA, entretanto não se ufana disso e é de uma generosidade com os colegas de palco, a ponto de, em certas cenas, servir-lhes de “escada”. Muitos gritos de “BRAVO!” para ele e aplausos de pé!!!

Todos os demais do elenco atuam de forma irrepreensível, interpretando, dançando, cantando, tocando vários instrumentos musicais, apresentando suas múltiplas habilidades circenses, com domínio do corpo e da voz. Ainda se dão ao luxo de improvisar e brincar, entre si e com a plateia, numa interatividade que engrandece o espetáculo. Não há um momento, sequer, em que “deixam a peteca cair”; não há altos e baixos, no desenvolver da trama. Tudo é gigantesco e plural neste espetáculo, numa fluência que reúne competência, prazer de representar e amor à profissão. Percebe-se, em cada um dos atores, uma alegria profunda naquilo que estão fazendo.

Que, além de FERNADO SAMPAIO, não sejam poupados muitos aplausos para ALEXANDRE ROIT (CANIO), a quem coube a hercúlea tarefa de representar o papel que seria destinado a DOMINGOS MANTAGNERCARLA CANDIOTTO (STROMPA), a mulher selvagem, responsável por alguns dos melhores momentos de comicidade da peça, com seu “jeito meio grosso de ser”, a que era sempre relegada a segundo plano, ficando de fora dos números circenses; FERNANDO PAZ (PEPPE), a quem cabe o fio condutor da história e que se comporta com uma segurança e elegância impressionantes naquilo que faz; FILIPE BREGANTIM (TONIO), belo tipo físico, com uma ótimo domínio de palco, porém meio paspalho (o personagem, é claro), meio bronco e, se mais uma metade fosse possível, nesta matemática, esta iria para o seu caráter de fofoqueiro e praticante da “dor de cotovelo”, sempre abraçado a uma garrafa de bebida; e CARLA MARTELLI (NEDDA), a “mocinha” da companhia, que desperta paixões, a qual, na temporada carioca, substitui Keila Bueno, encantando o público com sua graciosidade e seu cantar.

Chama a atenção o excelente cenário, assinado, a quatro mãos, por MÁRCIO MEDINA E MARISTELA TETZLAF, que liberam o centro do palco, este se confundindo com um picadeiro, caracterizado por um piso redondo, sobre o qual se passa a maioria das ações. Completam os elementos cênicos, painéis, telões pintados por FERNANDO MONTEIRO DE BARROS, com motivos circenses e desenhos / retratos de palhaços, destacando-se o maior de todos, ao fundo do palco, bem no centro, representando DOMINGOS MANTAGNER; duas araras, uma em cada lateral do palco, com roupas e acessórios que são usados em cena; diversos instrumentos musicais e outros objetos de cena, ligados ao circo. Além disso, merece destaque o piano de garrafas, que entra em duas das cenas e é, otimamente, utilizado pelos atores.

Agradaram-me muito os figurinos lúdicos e coloridos, de INÊS SACAY, divertidos e variados, enquadrando-se, o tempo todo, às exigências das cenas.

É muito boa a direção musical, de MARCELO PELLEGRINIcompositorarranjador e produtor musical; na peça, também é o responsável pela música original e pelos arranjos. Nessa eclética trilha sonora, há espaço para a música clássica, representada por trechos de óperas, e até cabe um momento para a personagem NEDDA interpretar uma linda canção da música popular brasileira, “Passarinho” (“Minha Vontade”)“Quero viver como um passarinho: / Cantar, voar sem direção. / Quando quiser construir meu ninho, / Hei de encontrar um coração. / Por enquanto. eu quero viver / Com toda liberdade. / Cantando aqui, pousando ali… / Esta é a minha vontade”

WAGNER FREIRE brilha, sem a intenção de trocadilhos, assinando um dos seus melhores trabalhos de iluminação, que não são poucos, diga-se de passagem. Sua luz dialoga, o tempo inteiro, com todos os detalhes que devem ser postos em evidência, num frenesi de matizes deslumbrantes.

 Tentei listar alguns dos momentos mais marcantes do espetáculo e percebi que gastaria muito tempo e espaço, de tantos que são eles. Por outro lado, não poderia deixar de fazer menção a alguns detalhes que marcam o espectador. Um deles, certamente, são os mais variados números circenses, muitos dos quais tão antigos, porém clássicos, que ganharam um quê de novo ou diferente no espetáculo, como uma briga, em câmera lenta, envolvendo todo o elenco, um clássico número de palhaçaria, que me arrancou muitas gargalhadas.

Também não pode ficar de fora o lindo prólogo, feito por PEPPE, no qual ele diz que “quando rimos dos palhaços, estamos rindo de nós mesmos”, que “somos todos palhaços”.

Acrescentem-se o número de (falsa) telepatia; o “diálogo” com uma tuba; a cena do casamento; o número de faquir, de SÍLVIO, deitando-se sobre cacos de vidro e, depois, comendo dois, que o fazem “defecar” um vidro de perfume. Nunca consegui achar a menor graça, quando a escatolgia entra em campo; até nisso, eles me derrubaram.

E tem mais: SÍLVIO tocando apitos, presos nas pontas dos dedos; SÍLVIO tocando uma ária, da ópera “I Pagliacci”, numa miniatura de sanfona; SÍLVIO tocando numa geringonça, feita de vários tamanhos de buzinas; TONIO e NEDDA dançando tango; STROMPA pondo cartas, para “ler” o futuro que poderia haver entre o romance de SÍLVIO e NEDDA; a dificílima cena de malabares, entre TONIO e CANIO, tendo STROMPA entre os dois, isso com texto; o velho truque da caixa, dentro da qual uma mulher (NEDDA) é “serrada” ao meio; e mais esta, e mais aquela, e mais aquela outra…

“PAGLIACCI” – mais uma vez repito – é uma obra-prima, que veio para fechar, com chave de ouro, a temporada teatral carioca de 2017 e para disputar, à altura, os prêmios para profissionais de TEATRO.

É um espetáculo inesquecível, que faz muito bem à alma e agrada, da mesma forma, a pessoas de todas as idades.

Deixei o Teatro Ginástico em total estado de graça e vou rever o espetáculo, sem a menor dúvida.

E VAMOS AO TEATRO!!!

OCUPEMOS AS SALAS DE ESPETÁCULO!!!

Dúvidas, críticas ou sugestões, envie para gilberto.bartholo@rioencena.com.br.

PUBLICIDADE