“O que é que ele tem”: tema de identificação universal embala solo de Louise Cardoso

Péricles Vanzella

Péricles Vanzella

31 anos, é doutorando em Artes Cênicas pela Unirio, ator, sapateador e cantor.

Em cartaz no Teatro SESI, no Centro, “O que é que ele tem” narra a relação de uma mãe com seu filho portador de uma doença muito rara, a síndrome de Apert. Com um tema que engloba identificação imediata e apresentação de objeto pouco conhecido, o monólogo de Louise Cardoso nasce estruturado para agradar.

O texto de Renata Mizrahi baseia-se no livro homônimo de Olivia Byington, que conta um pouco da história de como lidou ao descobrir que o filho possuía a rara síndrome de Apert, as incontáveis cirurgias, as limitações, a relação com as outras pessoas, etc. A solução encontrada na leveza e no otimismo tiram a peça do que poderia ser um poço sem fundo de desgraças, tornando-a leve e celebrando o amor.

O cenário de Natália Lana traz um belo fundo, que insere um aspecto onírico em elementos que remetem sempre a uma realidade cotidiana.

O figurino de Rita Murtinho traduz este naturalismo da vida diária, ficando no meio termo entre o casual e o elegante.

Louise Cardoso, mesmo com a simplicidade na partitura física, consegue dar conta de todas as situações da peça e suas nuances, transitando entre os infortúnios e as alegrias desta mãe sem perder a condução.

“O que é que ele tem”, em suma, atua como veículo eficiente para a narrativa de Olivia Byington sobre uma condição incomum e a opção de encará-la sob uma perspectiva positiva.

Um abraço e até domingo que vem!
Dúvidas, críticas e sugestões, envie para pericles.vanzella@rioencena.com.br.

PUBLICIDADE