‘O Filho do Presidente’ mistura conflitos político e familiar em curta temporada no Teatro Nelson Rodrigues

Do Rio Encena

Felipe Cabral (E) e Anselmo Vasconcelos interpretam filho e pai em conflito Foto: Leo Aversa;Divulgação

Primeira montagem brasileira de um texto de Christopher Shinn, norte-americano finalista do Prêmio Pulitzer em 2008, “O Filho do Presidente” estreia no Teatro Nelson Rodrigues, no Centro, nessa quinta-feira (02), às 19h. Em cartaz só até o próximo dia 19, com sessões também de sexta a domingo no mesmo horário, a peça dirigida por Marcus Vinícius Faustini gira em torno de uma conturbada relação familiar.

Em plena noite de apuração da eleição para a presidência dos Estados Unidos, o candidato John Sr., favorito na corrida presidencial, descobre que vazaram na Internet fotos de seu filho John, um jovem homossexual, numa festa à fantasia caracterizado como Maomé, pai da civilização islâmica, ao lado de um amigo trajado como Pastor Bob, um líder evangélico que seria aliado do futuro presidente.

Após o escândalo, o rapaz passa a sofrer pressão por parte dos pais e de assessores do Partido Democrata para fazer um pedido público de desculpas. Enquanto a trama se desenrola, a fragilidade e as mágoas desta relação entre um pai autoritário e um filho gay levam ao público temas como liberdade de expressão, sexualidade, privacidade, fundamentalismo religioso e luta por direitos de pessoas LGBT.

Com 45 anos de carreira, Anselmo Vasconcelos é o intérprete de Jonh Sr.. O elenco é composto ainda por Felipe Cabral, que faz o filho; Ingra Lyberato, que dá vida à mãe; Rodrigo Candelot e Vanessa Pascale, que fazem os assessores do partido; e Hugo Lobo, o amigo fantasiado de pastor evangélico.