‘Não tenho pretensão de desmentir a história, mas não acredito’, diz Carlos Vereza, em cartaz com solo sobre Judas

Luiz Maurício Monteiro

Qual é a chance de ser polêmica uma peça que mostra um lado mais humano daquele que ficou conhecido historicamente por ter traído ninguém menos do que Jesus Cristo? Para quem a idealizou, é considerável! Protagonista, diretor e autor de “Iscariotes.A Outra Face”, que estreou nesta sexta-feira (20), no Teatro Fashion Mall, Carlos Vereza passou três anos estudando o evangelho de Judas, encontrado numa caverna no deserto egípcio, perto de El Minya, em 1978, em idioma copta. Entrar em contato com este relato, portanto, só reforçou uma postura do experiente ator, de 78 anos: não crer 100% na história que coloca o apóstolo que teria traído Jesus por 30 moedas como um mero “vilão”.

– Não tenho pretensão de desmentir dois mil anos de história, mas também não acredito nela – explica Vereza, em entrevista ao quadro “Quem Encena”, da RIO ENCENA TV, completando ainda: – Uma outra versão a respeito de apóstolo que através da história virou a caricatura do mal absoluto.

Confira a entrevista no íntegra no vídeo abaixo: