Mostra Corpos Visíveis: encontro nessa quarta deve definir rumos do evento

Do Rio Encena

A peça com Jesus representado pela transexual Renata Carvalho teria sido vetada Fotos: Reprodução/Facebook

A Mostra Corpos Visíveis, que chegou a ser dada como cancelada, segue em pauta para esse fim de semana. Nessa quarta-feira (06), às 11h, na Câmara Municipal, os produtores do evento se reunirão com representantes da Secretaria Municipal de Cultura, da Comissão de Cultura da Câmara dos Vereadores e da Coordenadoria Especial da Diversidade Sexual para definir os próximos passos, inclusive o local de realização, que a princípio, seria a Arena Carioca Fernando Torres, no Parque Madureira. Esse deve ser o próximo episódio de uma polêmica que parece longe de um fim, já que enquanto a prefeitura fala em cancelamento, os organizadores preferem a palavra “censura”.

Algumas atividades previstas inicialmente na programação da mostra chegaram a ser anunciadas pelos produtores como censuradas. Entre elas, o espetáculo “O Evangelho Segundo Jesus, Rainha do Céu”, que traz Jesus Cristo representado pela atriz transexual Renata Carvalho. O monólogo “Solitárias” e algumas imagens da exposição “Estética do Invisível” estão na mesma situação.

Uma das fotos vetadas na exposição “Estética do Invisível” Foto: Divulgação

Embora os produtores garantam que têm emails dos últimos sete ou oito meses comprovando as negociações com a Secretaria Municipal de Cultura, o prefeito Marcelo Crivella publicou, no último dia 31, um vídeo em sua página no Facebook apontando o contrário. Ele afirma que a arena não poderia receber o evento – e nenhum outro – por estar há cerca de um mês sem atividades após uma ordem judicial resultante de imbróglios no processo de licitação. O quê mais incomodou os produtores, porém, foi ele afirmar, em seguida, que em sua administração “nenhum espetáculo, nenhuma exposição vai ofender a religião das pessoas” e que “enquanto for prefeito, vamos respeitar a consciência, a religião das pessoas”.

Mesmo a SMC ratificando a suspensão geral da programação da arena através de nota oficial, a Corpos Visíveis encarou as declarações de Crivella como censura e organizou uma manifestação no Méier nesta tarde. Eles foram da Praça do Leão Etíope ao Centro Cultural João Nogueira, o Imperator, onde ocorria a III Conferência Municipal de Cultura. Lá, encontraram Rachel Valença, subsecretária de cultura – situação na qual acordaram o encontro dessa quarta – e protestaram com tambores e palavras de ordem.

Antes disso, eles já haviam se manifestado nesta segunda (04), quando tiveram a confirmação por parte da própria subsecretária que não apenas o espetáculo, mas também toda a mostra estavam cancelados. Em sua página no Facebook, a Corpos Visíveis falou em “censura à visibilização e livre expressão artística dos corpos LGBTQI+, femininos, negros e periféricos“ e reforçou a importância do evento para a discussão de temas como LGBTfobia e machismo.

Os idealizadores da Corpos Visíveis lideraram nesta tarde um movimento no Imperator

Já na noite desta terça, a organização da mostra noticiou uma espécie de medida paliativa encontrada em acordo com a SMC. Anteriormente prevista para ficar concentrada apenas na Arena Fernando Torres, a programação da mostra passaria a ser distribuída em quatro pontos diferentes do parque: o portão 3, quadras poliesportivas e a Nave do Conhecimento, além da própria arena. Mas, com o anúncio deste encontro na quarta, tudo pode mudar novamente.

Polêmicas anteriores

Esta não é a primeira polêmica sobre supostas censuras na gestão de Marcelo Crivella. No ano passado, a exposição “Queermuseu” foi impedida de ser levada ao Museu de Arte do Rio (MAR). Meses depois, a programação da ocupação “Outubro da Diversidade” sofreu modificações no Castelinho do Flamengo, inclusive com um dos espetáculos precisando ser transferido para outro palco. A justificativa da prefeitura foi uma pane elétrica no local.

PUBLICIDADE