Maksin Oliveira fala sobre apresentação de peça na calçada por corte na luz do Café Pequeno: ‘Respeito ao público”

Luiz Maurício Monteiro

Maksin encena o monólogo na calçada em frente à fachada do Café Pequeno Foto: Luiz Carlos Cirino/arquivo pessoal

Na noite desta quarta-feira (19), a insatisfação da classe artística com a atual gestão da prefeitura do Rio de Janeiro, que já é grande devido às deficiências do programa municipal de fomento às artes, ganhou mais um triste episódio. Por falta de pagamento, a energia elétrica do Teatro Café Pequeno, no Leblon, acabou cortada, o que levou Maksin Oliveira a se apresentar com o monólogo “O Incansável Dom Quixote” na calçada, para cerca de 60 pessoas (veja imagens aqui). Segundo o ator, a administração da casa chegou a sugerir o cancelamento da sessão, o que foi prontamente rechaçado por ele.

– Isso não passou pela minha cabeça. Dentro do teatro, no escuro, seria perigoso por causa das escadas… Então fizemos na rua. As imagens de vídeos e fotos rolando pelas redes sociais estão escuras, porque nem a fachada do teatro tinha luz. Poderíamos fazer na esquina, que estava mais iluminada, mas quisemos fazer ali em frente, até como protesto. O pessoal que foi assistir, merece respeito. E se o prefeito (Marcelo Crivella) não tem respeito pelo público, eu tenho. Foi uma decisão acertada – desabafa.

Ainda de acordo com Maksin, o corte de luz por falta de pagamento nos teatros administrados pela prefeitura – são nove no total – tem sido frequentes. A diferença desta vez é que a medida interferiu na apresentação de um espetáculo. O próprio ator foi pego de surpresa, uma vez que só ficou sabendo que a casa estava às escuras quando chegou lá às 17h40, pouco mais de duas horas antes do início da sessão.

– Não tinha luz, nem som, mas tinha raça. Claro que o espetáculo perdeu alguns elementos, mas ganhou em vivacidade. Tomou uma proporção política maior. Se não pagam a luz de um teatro, não há peça, e isso significa menos cultura. E precisamos disso. Então vamos lá, deixando claro que estas coisas não podem acontecer porque pagamos impostos. No fim, muitas pessoas estavam chorando, dizendo que nunca esqueceriam este dia. Quero agradecer a todos que foram, porque se eu fizesse sozinho, não adiantaria nada – reconhece.

Mesmo “com chuva ou sereno”, como faz questão de ressaltar, Maksin garante que não vai hesitar em se apresentar ao ar livre novamente caso tal situação se repita até o fim da temporada, no próximo dia 27. No entanto, para esta quinta, a sessão parece estar garantida. Ainda na noite de quarta, técnicos da Light restabeleceram a energia, e a expectativa é que a escuridão não volte.

Em contato com uma fonte ligada ao Café Pequeno, o RIO ENCENA apurou que o corte da energia teria sido consequência de um débito pendente referente a dezembro, ou seja, ainda na gestão de Eduardo Paes. A mesma fonte diz ainda que a informação que tem é que as contas de janeiro, fevereiro e março estão pagas. Nossa reportagem procurou também a Secretaria Municipal de Cultura,mas até o fechamento desta nota, ainda não havia retornado.