Indicado ao Prêmio do Humor 2017, Alexandre Lino leva comédia solo ‘O Porteiro’ ao Teatro Café Pequeno

Do Rio Encena

Alexandre Lino como o porteiro Waldisney Foto: Janderson Pires/Divulgação

Quem mora em prédio sabe: porteiros têm sempre boas histórias para contar, inclusive de outros condôminos. E com o Waldisney, protagonista da comédia solo “O Porteiro” não é diferente. Indicado ao Prêmio do Humor 2017 na categoria Melhor Ator, Alexandre Lino leva o espetáculo nesta sexta-feira (02), às 20h, para uma curta temporada no Teatro Municipal Café Pequeno, no Leblon, onde fica 01/04 com sessões também sábados e domingos, no mesmo horário.

Com texto e direção de Paulo Fontenelle, o monólogo retrata o dia em que Waldisney é pego de surpresa com a ausência do síndico para uma reunião de condomínio. Sem muitas opções, ele decide então assumir o comando a situação, dando ao encontro um caráter interativo, o que permite a Lino fazer com que os condôminos sejam os próprios espectadores, que são convidados a participar diretamente de um divertido encontro.

No palco, Lino compartilha com o público histórias reais coletadas através de entrevistas realizadas por ele próprio com porteiros nordestinos, que deixaram sua região natal rumo ao Rio de Janeiro e a São Paulo em busca de seus sonhos. Por isso, o humor característico do Nordeste é a aposta do espetáculo.

Esta, aliás, não é a primeira vez que Lino interpreta um porteiro. Antes do Waldisney, ele já havia dado vida a esse tipo de personagem nas peças “Domésticas” (2013) e “Estes Fantasmas” (2017), e também no filme “Apaixonados” (2016) e na série “A Cara do Pai” (TV Globo).

“O Porteiro” também não é o primeiro monólogo da carreira do ator. Em 2016, ele protagonizou “Lady Christiny”, que contava a história verídica de uma travesti conservadora. Estas duas peças, inclusive, fazem parte de uma trilogia de solos, que deve ser concluída no ano que vem, com um texto estrangeiro, ainda não revelado pelo ator.

PUBLICIDADE