Grupo paulistano Tablado de Arruar ocupa Sesc Copacabana com quatro espetáculos a preços populares

Do Rio Encena

Os quatro espetáculos do grupo Tablado de Arruar serão apresentados entre 19/01 e 12/02 (montagem/Divulgação)

Os quatro espetáculos do grupo Tablado de Arruar serão apresentados entre 19/01 e 12/02 (montagem/Divulgação)

O Tablado de Arruar, grupo teatral fundado em 2001 em São Paulo, ocupa o Sesc Copacabana a partir desta quinta-feira (19/01) com quatro espetáculos de seu repertório. Até 12 de fevereiro, com ingressos a preços populares (entre R$6 e R$25), a trupe fará apresentações da Trilogia Abnegação e do drama “Mateus 10”. Para outras informações, clique aqui.

Iniciada em 2014, a trilogia encena, a partir de diferentes pontos de vista, os imbróglios da esquerda depois de chegar ao poder, tendo como base, aspectos ligados à trajetória de um partido político. Em “Abnegação I”, cinco membros de um partido político estão numa reunião fechada discutindo um fato passado que vem à tona. Ao passar da madrugada, na fazenda de um deles, depois de algumas doses de bebidas, os homens perdem o foco da conversa, indo da tensão à descontração, com direito a dança e cantoria ao som de hits sertanejos. O encontro se encerra sem que ninguém, inclusive a plateia, tenha certeza do que realmente estava sendo tratado. Com isso, a montagem passa a mensagem de que o preço de uma atitude pode ser mais alto o que se imagina.

Na sucessão, “Abnegação II – O Começo do fim” utiliza dois planos de ficção que se tensionam mutuamente para apresentar a trajetória de um partido esquerdista que, ao mesmo tempo em que expande seus braços políticos, se envolve perigosamente com a parcela criminosa da política.

Já em “Abnegação III – Restos” são feitas cinco cenas paralelas que se passam no mesmo dia, mas em locais distintos, sempre remetendo ao Partido dos Trabalhadores, seja direta ou indiretamente. No palco, são encenadas a seguintes situações: um padre que lutou contra a ditadura volta à casa onde residiu por muito tempo; um sindicalista visita a amiga rica, que tem como companhia um jovem espirituoso e cínico; um advogado do partido mantém contato com um militante antigo (e sem nenhum cargo); um ex-guerrilheiro discute com a filha, bebe e se droga; um antigo operário decide mudar a vida que leva atualmente e que foi construída ao lado de uma ex-militante a quem conheceu nos primeiros anos do partido, quando ela era estudante.

Por fim, “Mateus 10” é protagonizada por Otávio, um pastor que se vê diante de um dilema a partir do momento em que se vê obstinado por uma passagem da bíblia em que Jesus renega a família para ficar ao lado de seus seguidores e discípulos. Com isso, Otávio passa a desenvolver e pregar uma nova doutrina, o que só reforça sua obsessão por negar o conhecido em função do novo.

PUBLICIDADE