FESTIVAL VERÃO COM ARTE

Fotos: Divulgação

Local: Teatro Glaucio Gill
Endereço: Praça Cardeal Arco Verde, S/N – Copacabana.
Telefone: (21) 2547-7003
Período: 05/01 a 01/02
Entrada: R$ 40 (inteira) e R$ 20 (meia). Passaporte: R$ 75 para as cinco peças (não cumulativo com outros descontos ou promoções)
Funcionamento da bilheteria: Não informado
Capacidade: 130 lugares

“Brimas”

Sessões: Sábados e domingos às 18h
Elenco: Beth Zalcman e Simone Kalil
Direção: Luiz Antonio Rocha
Texto: Beth Zalcman e Simone Kalil
Classificação: 10 minutos
Duração: 70 minutos
Sinopse: Há três anos em cartaz, indicado ao Prêmio Shell de melhor texto e visto por quase 50 mil espectadores, o espetáculo ‘Brimas’ tem um segredo para o sucesso: é a alta dose de afeto, que está presente na história criada pelas atrizes Beth Zalcman e Simone Kalil, e na relação com o público, de troca, cumplicidade e até confissões. Com direção de Luiz Antônio Rocha, a peça é baseada nas histórias das avós das atrizes, que saíram jovens de seus países de origem, Egito e Líbano respectivamente, e foram acolhidas no Brasil no início do século passado. As personagens, uma judia e a outra católica maronita, estabelecem uma relação de amizade, convivendo com tolerância e respeito, valorizando a riqueza da diversidade cultural e religiosa de cada uma.

“Alice e Gustavo”

Sessões: Sábado e domingo às 21h
Elenco: Carol Loback e Marcos Nauer
Direção: Jorge Farjalla
Texto: Carol Loback e Rodrigo Monteiro
Classificação: 10 anos
Duração: 70 minutos
Sinopse: Comédia romântica escrita por Carol Loback e Rodrigo Monteiro, com direção de Jorge Farjalla, ‘Alice e Gustavo’ conta a história de  um amor improvável. Insistimos em contar narrativas com uma lógica avessa à vida. Como se os fatos acontecessem de uma forma linear e conduzissem a um desfecho que atenda às nossas expectativas. Porém não é assim que acontece na vida. Com delicadeza e humor, o público vai reconhecer o nascimento do amor em situação inusitada, abrindo uma reflexão sobre as possíveis causas desse sentimento. A solidão, neste mundo grande  e cheio de redes sociais virtuais, faz com que os dois personagens se encontrem e se apaixonem um pelo outro.

“Zilda Arns – A dona dos lírios”

Sessões: Terça e quarta às 18h
Elenco: Simone Kalil
Direção:Luiz Antonio Rocha
Texto: Luiz Antonio Rocha e Simone Kalil
Classificação: Livre
Duração: 60 minutos
Sinopse: O monólogo leva à cena os momentos mais importantes da fundadora da Pastoral da Criança, três vezes indicada ao Prêmio Nobel de Paz, e responsável por importante redução da mortalidade infantil no Brasil. Zilda Arns visitou todas as cidades brasileiras – chegou com a missão de salvar vidas de norte a sul do país, de lixões a aldeias indígenas, das periferias dos grandes centros aos interiores sertanejos, nenhum lugar lhe escapava. Um trabalho desbravador, que muitas vezes lembra a expedição dos irmãos Villas-Bôas. O espetáculo volta ao cartaz depois de duas temporadas de sucesso de público e crítica.

“Deixa Clarear – Musical Sobre Clara Nunes”

Sessões: Quinta e sexta às 18h
Elenco: Clara Santhana; músicos: João Paulo Bittencourt (violão). Gustavo Pereira (Cavaco/ percussão), Pedro Paes (clarinete/ sax) e Michel Nascimento (percussão). Alternantes: João Gabriel Gomes (sopros) e Alex Coutinho (percussão)
Direção: Isaac Bernat
Texto: Marcia Zanelatto
Classificação: Livre
Duração: 75 minutos
Sinopse: Há cinco anos circulando pelo Brasil, com mais de 200 mil espectadores na estrada, “Deixa Clarear, musical sobre Clara Nunes” mistura música e poesia na construção de um olhar sobre a cantora Clara Nunes e sua carreira que busca incentivar a juventude a valorizar o cancioneiro brasileiro e suas raízes genuínas. No repertório estão clássicos de grandes compositores como “O canto das três raças” (Paulo Cesar Pinheiro/ Mauro Duarte), “Na linha do mar” (Paulinho da Viola), “Morena de Angola” (Chico Buarque), “Um ser de luz” (João Nogueira/Paulo Cesar Pinheiro e Mauro Duarte), “O mar serenou” (Candeia), entre outras.

“Os Javalis”

Sessões: Quinta e sexta às 21h
Elenco: Lucas Lacerda e Junior Vieira
Direção: Emiliano D’Ávila
Texto: Gil Vicente Tavares
Classificação: 12 anos
Duração: 60 minutos
Sinopse: Um homem solitário tem sua casa invadida por um pretenso vendedor que, desesperado, anuncia o fim da humanidade, devastada por javalis que tomaram conta de tudo. Inicialmente desacreditado, o dono da casa começa a ser levado pelo discurso do vendedor e por eventos estranhos que acontecem em sua casa. Uma atmosfera, entre a tensão e o humor, é criada, detonando diversas questões que levarão os dois a caminhos surpreendentes. Livremente inspirado no clássico, “O Rinoceronte”, de Eugène Ionesco, “Os Javalis” – escrito pelo renomado dramaturgo baiano, Gil Vicente Tavares – segue a tradição da estética do Absurdo na dramaturgia contemporânea.

* Segundo informações do teatro e/ou da produção do espetáculo

PUBLICIDADE