Fechados desde novembro de 2017 para reforma, teatros do Sesc Copacabana voltam a receber pautas em abril

Luiz Maurício Monteiro

O Sesc Copacabana tem previsão de reabrir em meados de abril Foto: Divulgação/Sesc Rio

Fechadas desde novembro do ano passado, as três salas de teatro do Sesc Copacabana devem reabrir em abril. Conforme a assessoria de imprensa do Sesc Rio – seccional do Rio de Janeiro do Serviço Social do Comércio (Sesc) – informou ao RIO ENCENA, a paralisação na programação teatral ocorreu devido a uma reforma no sistema de refrigeração dos equipamentos, que incluiu a substituição de dutos, a parte elétrica, a hidráulica e afins. Ainda de acordo com a comunicação, solicitações de pautas para novas montagens também têm previsão de serem recebidas em meados do próximo mês.

Todas as três salas do Sesc Copacabana possuem uma capacidade razoável. A Multiuso comporta 280 pessoas; a Arena pode receber até 242 espectadores; e o mezanino é o menor, onde o público pode chegar a 100. Nos três casos, o motivo para a reforma do sistema de refrigeração foi o maior conforto para os visitantes – e também para os próprios artistas. A assessoria explicou que reestruturação foi uma iniciativa da própria administração e se dá de tempos em tempos, quando os equipamentos já são considerados obsoletos.

Desvio de verbas

Aliás, sobre a administração, hoje ela está sob o comando de Luis Gastão Bittecourt, que passou a ocupar o cargo em 15 de dezembro de 2017, depois que o titular Orlando Diniz foi afastado pelo STJ (Superior Tribunal de Justiça) por irregularidades administrativas.

No fim de fevereiro, no dia 23, Orlando Diniz, presidente da Federação do Comércio do Estado do Rio de Janeiro (Fecomércio), foi preso de forma preventiva na Operação Calicute, braço da Lava-Jato no Rio. A ordem partiu do juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal do estado. Segundo investigação do Ministério Público Federal, ele teria desviado pelo menos R$ 3 milhões de duas entidades do Sistema “S”, que engloba o Sesc e o Senac-RJ, para a Thunder Assessoria Empresarial, firma onde seria um dos sócios-administradores.

A assessoria do Sesc Rio, no entanto, afirma que este episódio não interferiu no funcionamento de nenhuma das 21 salas de teatro existentes em 16 unidades do Sesc no estado fluminense.

PUBLICIDADE