Fechado desde janeiro de 2017, teatro do Jardim Botânico segue sem previsão de reabrir por imbróglios na licitação

Luiz Maurício Monteiro

O tinha o nome de Tom Jobim desde sua inauguração, em 2008 Foto: Reprodução/Facebook

Os frequentadores do teatro situado dentro do Jardim Botânico que curtiam chegar um tempo antes de o espetáculo começar para contemplar as belezas naturais do parque, terão que esperar um pouco mais para retomar este hábito. Fechado desde janeiro de 2017, quando ainda se chamava Tom Jobim – nome dado na inauguração em 2008 por Paulo Jobim, filho do maestro e antigo administrador – o equipamento segue sem previsão de ser reaberto devido a imbróglios no processo de licitação.

O RIO ENCENA procurou o JBRJ (Jardim Botânico do Rio de Janeiro), órgão responsável pelo parque, que, através da assessoria de comunicação, alegou que o edital de licitação ainda não foi finalizado. Ainda de acordo com a resposta, a Instrução Normativa 05/2017, expedida pelo Governo Federal – o teatro pertence a esta esfera -, impôs uma série de exigências fazendo com que o edital para Concorrência Pública de Técnica e Preço, previsto para sair em agosto de 2017, precisasse sofrer alterações, acarretando na extensão do prazo. Nossa reportagem insistiu sobre uma estimativa para o lançamento da licitação, mas a assessoria justificou que não havia mais informações a passar.

Pouco antes de agosto, mais precisamente em julho, nossa reportagem entrou em contato com a JBRJ, que explicou que o vencedor da licitação assinaria um contrato de gestão do equipamento multiuso, com capacidade para 378 espectadores, válido por cinco anos, podendo renovar por mais cinco. Já sobre o perfil dos candidatos no processo, as especificações deverão ser listadas no próprio edital, assim como seus direitos e deveres.

O teatro tem como atrativo extra as belezas naturais do parque ao seu redor Foto: Divulgação

Ainda neste mesmo contato de julho passado, Lídia Vales, diretora de Ambiente, Conhecimento e Tecnologia do jardim, explicou o porquê de a própria administração do parque não deixar o teatro sob seus cuidados. Segundo ela, as razões são o orçamento e a ausência de profissionais com expertise para gerir um equipamento cultural no seu quadro de funcionários.

Ao longo de 2017, o Teatro do Jardim Botânico praticamente não teve programação. O único espetáculo de maior destaque que passou por lá foi “O Inevitável Trem”, que cumpriu uma curta temporada no meio do ano. Como o local já estava fechado havia alguns meses, a produção precisou providenciar algumas melhorias, como pintura das paredes, limpeza do chão (que já estava com lodo e limo), higienização das cadeiras e instalação de lâmpadas e outros equipamentos.

PUBLICIDADE