Em “Cururu, o Sapo Jururu”, mérito temático não apaga limitações cênicas

Péricles Vanzella

Péricles Vanzella

31 anos, é doutorando em Artes Cênicas pela Unirio, ator, sapateador e cantor.

Em cartaz no Centro Cultural da Justiça Federal (CCJF), que vem abrigando montagens infanto-juvenis de tema folclórico nacional, “Cururu, o Sapo Jururu” faz referência à espécie mais conhecida pela cantiga “Sapo Jururu” ou “Sapo Cururu”, dependendo da região (Sapo jururu/cururu na beira do rio / Quando o sapo canta, ó maninha / É porque tem frio). É fundamental destacar a importância da encenação de contos e lendas populares nacionais, especialmente aquelas oriundas da tradição oral; o elogio vale tanto para a equipe do espetáculo quanto para a curadoria do espaço do CCJF. Contudo, para além destas questões extra cênicas e do figurino feito a partir de materiais recicláveis, a peça não estabelece uma digital.

Para começar, são diversos números cantados em “playback” e praticamente sem coreografias, o que me leva ao questionamento de por que musicar algo que não terá o acompanhamento de uma cena musicada, seja sonora ou visual. Isso sem levar em consideração um quadro municipal composto de inúmeros espetáculos musicais com alto nível de excelência, mesmo que tecnicamente mais simples.

Um bom exemplo de simplicidade que não deixa nada a desejar é o próprio cenário da peça, que mesmo composto de apenas duas árvores que simulam terem sido ilustradas em papel, servem muito bem ao espetáculo.

A caracterização (figurino e maquiagem) dos personagens é o que mais marca, não só pela utilização de elementos recicláveis e pouco convencionais, mas também por uma proposta não figurativa em meio a um espetáculo que pende para o didatismo.

Os atores seguem esta linha ilustrativa, que acaba valorizando menos o relevo dos personagens do que o caráter educativo das lendas populares como a Festa no Céu e o amor impossível entre Sol e Lua.

Um abraço e até domingo que vem!
Dúvidas, críticas ou sugestões, envie para pericles.vanzella@rioencena.com.br.

PUBLICIDADE