Com doença rara como pano de fundo, drama ‘Uma Espécie de Alasca’ faz temporada popular no Centro

Do Rio Encena

Yara de Novaes (E), Miriam Rinaldi e Jorge Emil formam o elenco da peça Foto: Leekyung/Divulgação

Imagine dormir em 1988 e acordar em 2017 com os presidentes do Brasil sendo eleitos através do voto popular direto; a seleção de futebol como pentacampeã mundial de futebol e não mais tri; o Real como moeda nacional e não o cruzado novo; isso sem falar no revolucionário advento da Internet. Com estreia marcada para essa quinta-feira (30), às 19h, na Caixa Cultural, no Centro, a peça “Uma Espécie de Alasca” conta o drama de uma mulher que acorda após 29 anos de coma e se vê diante de uma realidade totalmente diferente daquela que ela deixou quando tinha apenas 16.

Inspirado no livro “Tempo de Despertar”, do neurologista Oliver Sacks (1933-2015), o texto do inglês Harold Pinter (1930-2008) é adaptado para esta versão brasileira pelo diretor Gabriel Fontes Paiva. No palco, Yara de Novaes interpreta Débora, que após as quase três décadas de coma, devido à rara doença do sono (encefalite letárgica), acorda pensando como se ainda fosse uma adolescente. Isso desencadeia os conflitos com Paulinha (Miriam Rinaldi), sua irmã que a acompanhou pelos 29 anos, e Hornby (Jorge Emil), seu cunhado e médico dedicado.

A personagem central é baseada nos casos de pessoas que também passaram vários anos em coma e acordaram graças a um medicamento experimental administrado pelo próprio Sacks nos anos 60. Ao assistirem à montagem original, em Londres, estes pacientes teriam afirmado que Pinter, através de seu texto, conseguiu compreender seus dramas mais do que os próprios médicos.

– O que me capturou nesse texto foi o quanto ele é profundo para tratar questões existenciais, utilizando como ponto de partida um caso real – complementa Gabriel Fontes Paiva.

A temporada de “Uma Espécie de Alasca” na Caixa Cultural é curtíssima e popular. Com ingressos a partir de R$ 5 (meia), o espetáculo segue em cartaz somente até o próximo dia 17, com apresentações também sextas e sábados, no mesmo horário das 19h, além de domingos, às 18h.