‘Cidade Correria’ estreia no Teatro Ipanema tratando das urgências de quem vive nas grandes metrópoles

Do Rio Encena

O espetáculo é fruto de uma criação em grupo do Coletivo Bonobando Foto: Maíra Barillo/Divulgação

Ao assistir ao espetáculo “Cidade Correria”, em cartaz no Teatro Ipanema a partir dessa terça-feira (17), às 20h, o espectador que mora e trabalha numa grande grande metrópole como o Rio de Janeiro fatalmente ficará com aquela sensação de “já vi isto antes”. Criação em grupo do Coletivo Bonobando, a montagem apresenta o cotidiano de uma cidade caótica, onde é inevitável conviver com urgências, contradições, alegrias, delírios, feridas… E tudo sob as perspectivas dos jovens da periferia.

– A gente fala muito de extermínio da população pobre, sobre as fronteiras invisíveis que existem nas ruas, as políticas higienistas. Criamos uma cidade inventada, que não tem nome, mas poderia ser o Rio de Janeiro – explica Lucas Oradovschi, que divide a direção com Adriana Schneider.

Para trabalhar nesta peça, o Coletivo Bonobando buscou inspiração em imagens, filmes, situações do dia a dia e histórias de vida dos próprios atores, além de contos literários do moçambicano Mia Couto, de João do Rio (1881-1921) e de outros escritores. Já para a preparação, o grupo recebeu treinamentos com máscaras balinesas e também oficinas de palhaço, de bufão, de ator-narrador e de jogos teatrais.

Depois de uma turnê em 2015 por todas as arenas culturais do Rio de Janeiro, além de uma passagem pelo Espaço Sérgio Porto em 2016, “Cidade Correria” chega ao Teatro Ipanema para uma temporada financiada por pessoas físicas através de um projeto de benfeitoria. No mesmo palco e ainda em maio, a trupe estreia também “Jongo Mamulengo”, primeiro espetáculo infantojuvenil de seu repertório. O projeto, que fica em cartaz entre o próximo dia 27 e 25 de junho, é uma parceria com o Jongo da Serrinha e o Cordão do Boitatá. A ideia é unir samba, jongo e bonecos feitos especialmente por Zé Lopes, mamulengueiro pernambucano.