‘Chacrinha, o Musical’ faz curtíssima temporada no Teatro Riachuelo em homenagem ao centenário do apresentador

Do Rio Encena

Stepan Nercessian encarna Chacrinha na fase do programa de auditório Fotos: Caio Gallucci/Divulgação

Assistido por mais de 2 milhões de pessoas – segundo a produção – desde que estreou há pouco mais de três anos, “Chacrinha, o Musical” está prestes a aumentar ainda mais essa marca com a curta temporada em homenagem aos 100 do Velho Guerreiro que começa nesta semana. Com capacidade para até 1.000 pessoas, o Teatro Riachuelo Rio, no Centro, abre suas portas para um total de 12 apresentações, sendo a primeira nessa quinta-feira (28), às 20h30. As entradas variam entre R$ 35 (meia) e R$ 150 (inteira), dependendo do dia e do setor.

Com direção de Andrucha Wadington e texto escrito a quatro mãos, em parceria entre Pedro Bial e Rodrigo Nogueira, o espetáculo conta a trajetória do homenageado desde a infância em Surubim, interior de Pernambuco, até o auge no comando do programa de auditório “Cassino do Chacrinha”, que estreou na TV Globo no início do anos 80.

Enquanto o ator Thiago Marinho começa interpretando o jovem e ainda anônimo José Abelardo Barbosa de Medeiros, Stepan Nercessian entra em cena depois para resgatar as marcas registradas do apresentador como os trocadilhos infames, os bordões, as buzinadas, os concursos de calouros e o troféu abacaxi. É aí também que personagens icônicos do programa são relembrados como as chacretes, o assistente Russo, os jurados Elke Maravilha e Pedro de Lara, além do diretor e produtor Boni.

Personagens marcantes do programa, como as chacretes, estão presentes no espetáculo

À frente de um elenco de 18 atores-cantores-bailarinos, Stepan não atuava em teatro havia 10 anos quando estreou com o musical em 2014. Hoje aos 63 anos, o ator recorda o que o motivou a encarar novamente um palco.

– Eu sempre disse que só voltaria se fosse para participar de um projeto muito especial. É uma atividade que requer muita dedicação, esforço e disciplina. Falei desde o início que não sou um imitador. O Chacrinha aconteceu naturalmente – explica.

Sobre a trilha sonora, a montagem, que tem direção musical de Delia Fischer, reúne mais de 60 canções (com medleys), muitas das quais o apresentador ajudou a tornar um sucesso nacional na época. Entre elas, ‘O meu sangue ferve por você’ (Sidnei Magal), ‘O amor e o poder’ (Rosana), ‘Tente outra vez’ (Raul Seixas), ‘Televisão’ (Titãs) e ‘Fogo e Paixão’ (Wando).

– Vamos reunir músicas desde o fim dos anos 30 até meados dos 80, apresentadas nos últimos programas. Entre os musicais em que trabalhei, este é o que reúne canções com comunicação mais imediata da plateia – completa Delia Fischer.

PUBLICIDADE