Autora do espetáculo ‘ELA’, Marcia Zanelatto relembra contato com portadora da doença: ‘Muito emocionante’

Luiz Maurício Monteiro

Em cartaz no Teatro Sesi, no Centro, segundas e terças às 19h30, até o próximo dia 29, o espetáculo “ELA” conta uma história de amor, porém, com um diferencial em relação a tantas outras: a descoberta de uma doença rara e muito grave que muda o rumo desta relação. Em entrevista ao quadro “Quem Encena”, da RIO ENCENA TV, a autora Marcia Zanelatto explicou a construção do texto que aborda o mal que dá nome à peça, a Esclerose Lateral Amiotrófica, mais conhecida pela sigla ELA.

Depois que Clara é diagnosticada com a doença, sua companheira, Isabel, luta com todas as forças para manter a relação entre as duas fortes, tornando a própria ELA um combustível para isso. Aliás, a opção por um relacionamento homoafetivo, e não um hétero como seria óbvio, foi outra questão abordada pela escritora, idealizadora do projeto Rio Diversidade.

No entanto, o ponto alto do bate-papo foi quando Marcia chegou a ficar com os olhos marejados ao falar de Fernanda Bueri, portadora de ELA que assistiu à peça, se identificou com o texto e deixou a autora emocionada. Sem nenhum movimento do pescoço para baixo, Fernanda, hoje com 29 anos, começou a ter os primeiros sintomas da doença aos 25. No Facebook, ela criou a página Sou Mais Fê do que ELA (para acessar, clique aqui), onde compartilha os episódios de sua luta contra a doença, como por exemplo, a oportunidade de voltar a trabalhar e escrever um livro graças a um aparelho especial.

Assista à entrevista completa abaixo:

PUBLICIDADE