Após censura de Crivella, Mostra Corpos Visíveis vai para a Fundição Progresso e lança ‘vaquinha online’

Do Rio Encena

(Divulgação)

A Mostra Corpos Visíveis, que perigou não sair do papel graças a um veto do prefeito Marcelo Crivella, será, sim, realizada neste fim de semana. A Fundição Progresso, na Lapa, será a “casa” do evento, que acabou tendo parte da programação na Arena Fernando Torres, em Madureira – que é de responsabilidade do município – assumidamente censurada pelo governante da capital fluminense. Ele, aliás, afirmou num vídeo postado em sua página no Facebook que “enquanto for prefeito, vamos respeitar a consciência, a religião das pessoas”. Inclusive o espetáculo “O Evangelho Segundo Jesus, Rainha do Céu”, que traz Jesus Cristo representado pela atriz transexual Renata Carvalho, está mantido como uma das atrações – confira a programação completa no fim da página. A epopeia dos organizadores, porém, ainda não terminou.

Com a transferência para a Fundição – iniciativa que partiu do próprio espaço – alguns gastos que não estavam no orçamento inicial, como equipe de produção e estrutura de luz e som, acabaram entrando na conta. Com isso, os produtores decidiram lançar uma campanha de financiamento coletivo na Internet, ou seja, uma vaquinha online. Para saber mais, clique aqui.

Apesar do êxito de última hora com o plano B, a equipe da Corpos Visíveis lamenta que a proposta inicial tenha sido comprometida. De acordo com uma postagem na página do evento no Facebook, a ideia original era “dialogar sobre feminismo, transgeneridade e diversidade sexual na Zona Norte da cidade por meio da arte”.

Maior alvo do veto, “O Evangelho Segundo Jesus, a Rainha do Céu” segue na mostra Foto: Reprodução/Facebook

A polêmica ao redor da Corpos Visíveis começou no último dia 31. Mesmo a produção garantindo – com emails como provas – que vinha negociando desde o fim de 2017 a realização do evento na arena de Madureira, Marcelo Crivella publicou neste dia o tal vídeo, no qual afirmava o contrário. Segundo ele, o equipamento estava há cerca de um mês com a programação toda cancelada devido a problemas no processo de licitação. Mas, na mesma postagem, o prefeito assegurou também que em seu mandato e nos locais de responsabilidade na prefeitura  “nenhum espetáculo, nenhuma exposição vai ofender a religião das pessoas”.

Esta declaração fez os organizadores da mostra falarem em censura, o quê se confirmou nesta quarta (06), durante a abertura dos Jogos Estudantis no Parque Olímpico, na Barra da Tijuca, onde Crivella reforçou a sua posição.

— Se você considera censura, então vou dizer que é. É uma censura para garantir os direitos de liberdade religiosa das pessoas e para elas não serem ofendidas na sua liberdade religiosa. Não chamo de censura. Mas enquanto for prefeito, nos espaços públicos administrados pela prefeitura, não permitiremos manifestações que ofendam a religião das pessoas — disse o prefeito, na ocasião.

A produção da mostra seguiu a semana negociando com a Secretaria Municipal de Cultura e com outros órgãos, mas sempre com dificuldades para conseguir incluir na programação as atrações vetadas pelo prefeito. Um protesto no Méier, na terça (05), foi realizado, mas também não surtiu muito efeito. Com a proximidade do primeiro dia de eventos, a solução mais razoável acabou sendo mesmo a Fundição Progresso.

SERVIÇO

SÁBADO (09/06)

10h às 13h
Oficina Dramaturgay
Facilitador Peter Franco
Workshop Processos da autobiografia e escrita no teatro documental

O autobiográfico, o teatro documental e a construção de nossas próprias narrativas LGBTQI+. A oficina será conduzida a partir das seguintes questões: de que modo as narrativas pessoais podem ser contadas, escritas, faladas e quais são as relações e os motivos do seu silenciamento.

Oficina Cordel Dissidente
Facilitadora Tertuliana Lustosa

A Oficina parte de uma introdução teórica sobre a história e as origens da literatura de cordel e a produção de um verso de poesia de cordel numa estrutura tradicional e outra num estilo totalmente livre. A segunda parte do curso é a confecção de xilogravuras.

14h às 16h30
Cine Diversidade

Sessão Especial de curtas-metragens brasileiros independentes sobre as temáticas de gênero e diversidade sexual.

Filmes: De vez em quando, quando eu morro, eu choro – 15m – Paraíba, de R.B. Lima | Além da Norma – 15m – São Paulo, de Larissa Agostinho | Apenas O Que Você Precisa Saber Sobre Mim – 15m – Santa Catarina, de Maria Augusta Nunes | Três É Par – 11m – Rio de Janeiro, de Matheus Murucci | Tentei – 15m – São Paulo, de Caio de Campos Baú | Eu não odeio meu corpo – 1m – São Paulo, de Bernardo Enoch Mota | Em busca de Lélia – 15m – Bahia, de Beatriz Vieirah | Verde Limão – 17m – Pernambuco, de Henrique Arruda | Estamos Todos Aqui – 20m – São Paulo, de Rafael Mellim | Móbile Haikai – 20m – Minas Gerais, de Lilian Werneck Rodrigues.

17h às 22h
Exposição fotográfica Um beijo das travestis
De Évelym Gutierrez

Vídeo performance Prisão Domiciliar
De Manuela Leite

19h às 21h
Performances

– Drag Queen Ma.Ma Horn

Nascida de um ventre nordestino na maior favela da América Latina, Ma.Ma. Horn é Drag, é Queen, é Queer. Bicha não binária, encontra sua cena na cidade e sua performance em sua diversidade.

– “A Cada 19h”

Performance que conta histórias de mortes causadas pela LGBTfobia tendo como conflito o intervalo entre elas.

Espetáculo teatral
– “O Evangelho Segundo Jesus, Rainha do Céu”

E se Jesus vivesse nos tempos de hoje e fosse travesti?
O espetáculo é uma mistura de monólogo e contação de histórias em um ritual que traz Jesus ao tempo presente, na pele de uma travesti. Histórias bíblicas conhecidas são recontadas em uma perspectiva contemporânea, propondo uma reflexão sobre a opressão e intolerância sofridas por transgêneros e minorias em geral.

DOMINGO (10/06)

OFICINAS

11h às 12h30
Stilleto Hell
Facilitador Marcos Aprigio
Street Jazz com Salto Alto

A oficina potencializa e explora a feminilidade a partir do salto alto.

13h30 às 15h
Vídeo Dance
Facilitador Marcos Aprigio
Street Dance Comercial

A oficina utiliza a linguagem comercial pop para criar um registro audiovisual como resultado, um clipe artístico elaborado pelos alunos a partir dos passos de dança.

15h às 18h
Círculo de Mulheres – Facilitadora Manu Shanta

Acolhendo e reconhecendo o Ser feminino que habita em mim. Honrando a minha força mulher.
Círculo de trocas e reconhecimento sobre o feminino e o papel da mulher na história, da ascensão, queda e resgate da força feminina. Empoderamento pessoal e de todas as mulheres formando uma teia de sororidade e acolhimento.

17h às 22h
Exposição fotográfica Um beijo das travestis
De Évelym Gutierrez

Vídeo performance Prisão Domiciliar
De Manuela Leite

RODA DE CONVERSA
16h às 19h
Roda de conversa sobre prostituição.

TEATRO
19h às 21h

– Performance “A cada 19h”
Performance que conta histórias de mortes causadas pela LGBTfobia tendo como conflito o intervalo entre elas.

– Espetáculo teatral “Solitárias”
A peça conta a história de mulheres presas e torturadas durante o período da ditadura militar no Brasil, a partir de depoimentos presentes no relatório final da Comissão da Verdade do Rio de Janeiro.

PUBLICIDADE