‘André ou a Receita Para se Fazer um Monstro’, sobre violência e autoconhecimento, estreia no Teatro Dulcina

Do Rio Encena

O gaúcho João Monteiro atua e assina o texto do espetáculo Foto: Divulgação

Tema muito em voga no Rio de Janeiro, a violência é o foco de “André ou a Receita Para se Criar um Monstro”, que estreia nessa sexta-feira (13), às 19h, no Teatro Dulcina, no Centro. Com texto e atuação de João Monteiro e direção de João Paulo Soares, o monólogo mistura seu assunto principal à questão do autoconhecimento nas esferas social e familiar. As inspirações foram o livro “Receita para se fazer um monstro”, de Mário Rodrigues (vencedor do Prêmio Sesc Literatura 2016/categoria contos) e no personagem André, do livro “Lavoura Arcaica”, de Raduan Nassar.

João tem a “companhia” de Luiz Carlos Vasconcelos no palco

Em cena, João Monteiro, gaúcho radicado no Rio, interpreta André, personagem que compartilha com o público vivências e conflitos familiares enquanto busca a construção de uma identidade e um autoconhecimento. Dentro deste processo, ele atravessa devaneios – e um comportamento até esquizofrênico – para recordar um ato cometido no passado, que o fez parecer um animal entendendo suas necessidades mais primárias, como matar, amar e sobreviver.

— Falar sobre violência e autoconhecimento é imprescindível no momento presente. André expõe seus devaneios sobre família, morte e vida, de forma contundente, busca trocar experiências com o espectador fazendo com que ele se identifique nos pequenos gestos, nos detalhes, percebendo como somos conduzidos aos atos agressivos de forma despercebida — explica o ator e autor.

Embora se trate de um solo, João não está sozinho no palco, já que o espetáculo conta com a participação especial de Luiz Carlos Vasconcelos, intérprete do pai de André. Ora com sua imagem projetada, ora como áudio, ele é a voz responsável por despertar as memórias do filho. Luiz, aliás, escreveu sua própria fala, que universaliza a relação pai x filho e aborda tópicos como o tempo, o amor e as relações humanas.

PUBLICIDADE