‘Aceito mudar horário’, sugere Bruce Gomlevsky para amenizar polêmica em teatros no Shopping da Gávea

Luiz Maurício Monteiro

Bruce aceita mudar os horários de suas sessões para que o som não vaze para o andar de cima

Um dos mais prejudicados pela polêmica do último fim de semana envolvendo dois dos teatros do Shopping da Gávea, Bruce Gomlevsky, protagonista de “Renato Russo – O Musical”, conversou com o RIO ENCENA e, além de demonstrar grande indignação com as administrações das salas, sugeriu um paliativo para amenizar os atuais problemas. Ao menos, num primeiro instante.

Na noite do último sábado (18), se tornou a última gota d’água um inconveniente que vinha se arrastando desde 10/03, quando estrearam “Renato Russo” e também “O Grande Sucesso”, estrelada por Alexandre Nero. Incomodado, o ator teria se recusado a subir ao palco do Teatro Clara Nunes (3º piso) devido ao som do musical rock, apresentado simultaneamente no Teatro das Artes (2º piso), que vinha vazando e impedindo até o público de entender o que era dito por ele e pelos companheiros em cena.

Diante da recusa de Nero, a direção do shopping e o Teatro das Artes teriam, intempestivamente, anunciado o cancelamento da apresentação de “Renato Russo”, mesmo após a hora marcada para o início e com cerca de 100 bilhetes – entre R$ 60 (meia) e R$ 120 – já vendidos, o que, obviamente, revoltou os espectadores já presentes. Igualmente contrariado, Bruce conseguiu, através do advogado da produção, uma liminar para se apresentar, mas não teve êxito. Já no domingo, o ator pode encarnar o líder da Legião Urbana, mas em contrapartida, a produção de “O Grande Sucesso”, que chegou a ter sessão no sábado, comunicou a suspensão da temporada até segunda ordem.

– Com o perdão da palavra, foi a coisa mais escrota que vi na vida. Nunca passei por isso em 25 anos de carreira. Sem informar à produção, eles cancelaram a venda pela Internet, de maneira arbitrária e unilateral – relembra Bruce, esclarecendo que não houve atrito entre as produções e propondo uma solução temporária: – Não houve problema nenhum. Somos amigos, colegas de profissão e nos respeitamos. Conversei com o Nero por telefone e pessoalmente. Temos que tentar resolver. Eu aceito mudar meu horário, resta saber se eles topam. Mas o problema maior é o teatro querer se eximir e culpar a gente.

Ainda de acordo com Bruce, seu espetáculo vinha sendo encenado com um terço da capacidade habitual de som justamente para evitar prejuízos aos colegas em cena no andar de cima. A medida, no entanto, não adiantou, assim como o prévio conhecimento que o Teatro das Artes tinha (ou deveria ter) do tipo de peça que estava recebendo.

– A responsabilidade é dos teatros. O teatro tem que saber a peça que está recebendo. Fazemos um musical, em cartaz há 10 anos, um dos maiores sucessos dos últimos anos no teatro brasileiro. Estamos fazendo com um terço do som que estamos acostumados, e mesmo assim o som vaza. Nenhum dos dois teatros tem tratamento de som adequado. E a obra no Clara Nunes é um agravante. Talvez nem devesse estar recebendo um espetáculo – sugere.

O Teatro das Artes, que recebe atualmente “Renato Russo – O Musical”,é um dos vértices da polêmica Foto: Divulgação

Sobre o próximos capítulos deste imbróglio, Bruce volta adotar um tom agregador, mas deixa claro que não abre mão de seguir em cartaz até o fim da temporada, em 30 de abril. Muito até pela questão financeira, já que o contrato prevê um aluguel semanal no Teatro das Artes no valor R$ 13.500, pouco menos que os R$ 18.000 pagos por “O Grande Sucesso”, pelo mesmo período, ao Clara Nunes

– O meu intuito é continuar a temporada e espero que eles (“O Grande Sucesso”) também. Estamos fazendo de tudo para conciliar. Como disse, nem que tenha que antecipar o horário de apresentação. Mas não aceito interromper porque não temos patrocínio, o custo é alto, já gastamos dinheiro para a estreia, e é um desrespeito com todos. Porque vamos parar se existe um contrato? – questiona.

A reportagem do RIO ENCENA tentou também entrar em contato com as outras partes envolvidas na polêmica. A produção de “O Grande Sucesso”, através de sua assessoria de imprensa, pediu para não entrar em detalhes até que sejam resolvidas questões relacionadas ao prosseguimento da temporada.

Já a direção do Teatro Clara Nunes retornou a um contato por email, mas ainda não havia dado uma posição até o fechamento desta matéria. Tentamos também falar com a direção do Teatro das Artes, via email e telefone, mas sem sucesso.

PUBLICIDADE